Parte do Centro do Rio não terá vagas no Dia Mundial Sem Carro

Com limitação, cerca de 2 mi de veículos que circulam pelo local vão perder mais de 500 vagas durante 24 horas

Agência Brasil,

15 de setembro de 2009 | 19h20

Os motoristas devem evitar sair de carro para ir ao Centro do Rio na próxima terça-feira, 22, Dia Mundial Sem Carro. A prefeitura anunciou nesta terça-feira, 15, que vai proibir o estacionamento no quadrilátero que tem como limite a Rua Santa Luzia, a Avenida Presidente Antônio Carlos, a Rua da Assembleia e a Avenida Rio Branco. Com isso os cerca de 2 milhões de veículos que circulam pelo local diariamente vão perder mais de 500 vagas durante 24 horas.

 

A ideia é estimular as pessoas a usar mais o transporte coletivo, caminhar ou mesmo utilizar a bicicleta para evitar a poluição atmosférica e congestionamentos. Vão ser realizadas atividades culturais e educativas em vários pontos da cidade.

 

O secretário de Transportes, Alexandre Sansão, disse que, embora não tenha sido feito um estudo para medir o impacto das medidas nesse dia, não haverá falta de transporte público, pois "as empresas de ônibus vão colocar 100% da frota em circulação e o metrô, a Supervia e as Barcas vão diminuir os intervalos entre as viagens".

 

O secretário do meio ambiente, Carlos Alberto Muniz, disse que os carros oficiais que estacionarem dentro do quadrilátero determinado pela prefeitura serão rebocados pela Guarda Municipal. Ele afirmou que o decreto assinado nesta terça, que regulamenta as restrições de veículos no dia 22, determina a suspensão temporária das vagas especiais de órgãos municipais, estaduais e federais no local. Para dar o exemplo, na próxima terça-feira, a prefeitura vai proibir o estacionamento de automóveis municipais, com exceção dos veículos operacionais. Os pontos de táxi que funcionam naquela área estão autorizados a operar normalmente.

 

Em Copacabana, na zona sul, será inaugurada a ciclo-faixa na Rua Xavier da Silveira. As ruas internas do bairro terão os limites de velocidade reduzidos a 30 quilômetros, para garantir a segurança dos ciclistas. O vice-prefeito informou que até 2012 serão construídos 300 quilômetros de ciclovia na cidade, sobretudo na zona oeste.

 

O presidente da ONG Transporte Ativo, José Lobo, explicou que apenas 3% das viagens na região metropolitana do Rio são feitas em bicicletas. Em Copenhague, na Dinamarca, o número chega a 33%. No entanto, Lobo disse que o número vem crescendo expressivamente. "Em 2004, cerca de 1.590 ciclistas passavam por Copacabana por dia. Hoje, a média é de 1.420 bicicletas a cada 12 horas."

 

No Rio, os automóveis são responsáveis por 50% da poluição atmosférica, segundo estudos do World Resources Institute. Em São Paulo esse número chega a 90%. O Dia Mundial Sem Carro foi criado na França em 1998. Hoje, mais de 1,5 mil cidades em 40 países participam da iniciativa.

Tudo o que sabemos sobre:
Dia Mundial Sem CarroRio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.