Parte do forro de igreja de 344 anos desaba em Sorocaba

Duas tábuas do forro da Igreja de Sant?Anna, construída em 1660 pelo bandeirante Baltazar Fernandes, fundador da cidade, desabaram na noite de ontem durante a celebração de uma missa, em Sorocaba. A igreja integra o conjunto arquitetônico do Mosteiro de São Bento, tombado pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico, Arqueológico e Turístico (Condephaat) do Estado. Os pedaços de madeira causaram ferimentos leves em uma mulher. A missa, que resgatava o uso do latim nas celebrações religiosas, não foi interrompida. O administrador do mosteiro, abade dom José Carlos Camorim Gatti, disse que a queda parcial do forro foi um aviso. "Temos de apressar a restauração para não corrermos o risco de perder esse patrimônio."Segundo ele, o forro está carcomido pelos cupins, que afetam também o altar-mór e retábulos da igreja. As tábuas se desprenderam porque foram pisadas inadvertidamente pelas pessoas que se achavam no coro - espécie de mezanino sobre a entrada do templo. O madrigal Cânticus de Música Sacra entoava a parte cantada da missa. O latim não era usado na igreja desde 1963, quando foi abolido das celebrações religiosas católicas pelo Concílio Vaticano II. O Mosteiro de São Bento de Sorocaba é um dos mais importantes conjuntos arquitetônicos do período colonial brasileiro em São Paulo, mas está bastante deteriorado. As paredes de taipa de pilão apresentam trincas e infiltrações. Sua construção foi feita posteriormente à da igreja e data de 1667. Baltazar Fernandes doou o conjunto e as terras adjacentes à Ordem Beneditina, que o administra até hoje. Exigiu apenas que fosse celebrada anualmente uma missa em sua intenção, tradição que também é mantida. Seus restos mortais estão enterrados sob o piso da nave principal. O projeto de restauro foi enviado ao Ministério da Cultura para obtenção de recursos. Como está havendo demora, os beneditinos pretendem lançar até o fim do ano uma campanha de mobilização do empresariado e da comunidade visando arrecadar recursos para a obra.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.