Partido colocou-a no papel de princesa

Análises

Ruy Lindenberg, O Estado de S.Paulo

14 de maio de 2010 | 00h00

O PT colocou Dilma no papel de princesa. De roupa vermelha e brincos de pérola, ela parecia a Branca de Neve. É uma construção muito bem feita de personagem - um personagem de continuação, como evidencia a ênfase dada ao que ela fez no governo. E o programa na TV atribuiu a ela quase tudo o que alimenta a popularidade do presidente: PAC, Luz Para Todos, Bolsa-Família, pré-sal, biodiesel. Os ministros disseram que ela é uma economista que cuida da educação, do planejamento - um equilíbrio entre sensibilidade e eficiência. Quando Lula fala que ela lutou contra a ditadura, a relaciona com Mandela, que foi obrigado a ir às armas e depois promoveu a pacificação de seu povo. Para encerrar, o presidente diz que ela é terna como os mineiros e intrépida como os gaúchos. É uma caracterização que tem tudo para funcionar, graças a Lula.

É VICE-PRESIDENTE DA AGÊNCIA DE PUBLICIDADE LEO BURNETT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.