Partido sonha, um dia, ter candidatura ao Planalto

O objetivo do PC do B, afirma o ministro Orlando Silva, é lançar candidato à Presidência "em alguns anos". Isso explica o trabalho intenso do ministro pela filiação de artistas, intelectuais e líderes populares ao PC do B.

, O Estado de S.Paulo

22 de agosto de 2010 | 00h00

"Para ser candidato do PC do B não precisa ser doutor em marxismo", ironiza o ministro, referindo-se à candidatura de Netinho de Paula. "Mas existe preconceito, pelo perfil dele." Já no caso de Protógenes Queiroz, o ministro conta que "conversou com ele algumas vezes (antes da filiação), mas ele concluiu por sua própria cabeça que tinha que ser o PC do B". "Ele é uma celebridade política", diz, animado.

Orlando administra, hoje, um orçamento de R$ 2 bilhões. A previsão orçamentária para 2011 é R$ 1,15 bilhão. Ele evita tratar da futura presidência do PC do B e de sua permanência num eventual governo Dilma Rousseff (PT).

"Eu tenho um compromisso com o presidente Lula, de ficar até o final do mandato. Havia um plano de eu sair candidato, mas ele me pediu que ficasse."

A permanência de Orlando num governo Dilma é considerada certa até pelos petistas. Sobre seu papel nas articulações com a Fifa e o Comitê Olímpico Brasileiro para a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016, o ministro afirma que "os compromissos não são com Orlando, nem com Lula, são com o governo brasileiro".

O futuro do PC do B, diz, será discutido após as eleições. "Podemos dar um salto muito importante", prevê.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.