Partidos tentam evitar encontro de grupos no Rio

Preocupada em evitar novos confrontos entre petistas e tucanos, como o que ocorreu na quarta-feira no calçadão de Campo Grande, a direção do PT-RJ recomendou aos simpatizantes da campanha de Dilma Rousseff que evitem atividades de campanha na orla da zona sul, amanhã de manhã, quando o candidato do PSDB, José Serra, fará caminhada na Praia de Copacabana. Ao mesmo tempo, o diretório petista fala em "rumores" de que os adversários poderiam simular ataques aos tucanos. Nas duas campanhas, o sentimento no fim da tarde de ontem era de cautela e desconfiança.

Luciana Nunes Leal / RIO, O Estado de S.Paulo

23 de outubro de 2010 | 00h00

"Há informações de que estaria sendo preparada uma armação para tentar imputar a militantes petistas atos de hostilidade ao candidato José Serra ou contra sua comitiva. Essas informações não passam de rumores, mas cabe a nós fazer o alerta prévio e reiterar que o Partido dos Trabalhadores repudia qualquer tipo de violência", diz a nota assinada pelo presidente do PT-RJ, deputado Luiz Sérgio. O comunicado convida os aliados para a carreata de Dilma com o presidente Lula, também amanhã de manhã, na zona oeste, e confirma as atividades do PT na orla da zona sul a partir das 14h, "quando já houver terminado a atividade do nosso adversário". Na programação, está previsto o desfile do Bloco da Dilma.

Paz. Um dos organizadores da caminhada tucana, o deputado reeleito Otávio Leite (PSDB-RJ) diz que "em hipótese alguma" os correligionários de Serra farão provocações a Dilma, a Lula ou aos militantes.

"Desde a semana passada as autoridades do Estado e da prefeitura estão avisadas de que faremos a manifestação amanhã na orla. Portanto, a prioridade é de quem solicita formalmente. Não é adequado provocar choques, o período é extremamente delicado", disse.

Depois do incidente de Campo Grande, o PSDB passou a chamar a caminhada pró-Serra de "Marcha pela Democracia". "Queremos paz. Vamos decidir no voto", diz o presidente do diretório municipal do PSDB, deputado estadual reeleito Luiz Paulo Corrêa da Rocha.

Desde a noite de quarta-feira, líderes do PT entraram em ação para acalmar grupos considerados mais radicais, como dos agentes de controle de endemias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.