Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Passageira filma homem se masturbando em voo entre Minas e SP

Jovem afirmou em rede social que tripulação da Avianca pediu para que ela trocasse de lugar; companhia investiga caso

Felipe Cordeiro, O Estado de S.Paulo

12 Março 2018 | 17h35
Atualizado 13 Março 2018 | 19h19

SÃO PAULO - Uma passageira denunciou e gravou um homem se masturbando ao seu lado dentro de um avião da Avianca em um voo entre o Aeroporto Tancredo Neves, em Confins, na Grande Belo Horizonte, e o de Cumbica, em Guarulhos, na Grande São Paulo, na manhã deste domingo, 11. 

+++ Homem é preso por ejacular em passageira em voo de Belém a Brasília

Segundo o relato da passageira em seu Facebook, o homem se sentou ao seu lado e começou a se masturbar com as mãos por cima das calças. A jovem filmou o ato e publicou vídeos em suas redes sociais.

+++ Colunistas do 'Estado' dão voz a vítimas de violência

"Como eu sabia que ninguém acreditaria se eu só gritasse, comecei a filmar, chamei a atenção dele e dos tripulantes, inclusive do piloto, mas ninguém se mexeu pra me ajudar", escreveu.

+++ No Dia da Mulher, jovem é morta a facadas pelo marido na Grande SP

Ainda de acordo com a postagem na rede social, os tripulantes da Avianca pediram para que ela trocasse de assento. "Me recusei, pois quem estava errado era claramente ele e não eu", afirmou. "Disseram que, como não viram o que houve, não poderiam me ajudar."

A passageira declarou ainda que os funcionários se recusaram a assistir às imagens gravadas e a tomar qualquer providência.

A Avianca Brasil informou, em nota, que está investigando internamente o ocorrido e tomará as medidas cabíveis.

"A companhia reforça que repudia veementemente todo tipo de comportamento inadequado de qualquer indivíduo que voe com a empresa", afirmou a Avianca. 

Nesta terça-feira, 13, a empresa publicou outra nota em que afirmou que os comissários "tomaram as medidas para que o passageiro trocasse de lugar a fim de garantir a segurança de todos a bordo". "Após a aterrissagem, o comandante instruiu a passageira a procurar imediatamente a Polícia Federal do aeroporto."

A jovem disse que fez uma reclamação formal com a companhia aérea e que faria um boletim de ocorrência na Polícia Civil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.