Ana Luiza Collares Xavier/LinkedIn/Reprodução
Ana Luiza Collares Xavier/LinkedIn/Reprodução

Passageira relata que avião da Latam fez ponte aérea com 'saída inoperante'

Mulher publicou foto em rede social e se mostrou receosa com o voo entre o Rio e SP; companhia diz que viagem atendeu a 'requisitos internacionais de segurança'

Felipe Cordeiro, O Estado de S.Paulo

10 Fevereiro 2017 | 14h35

SÃO PAULO - Uma passageira da ponte aérea da Latam entre o Rio de Janeiro e São Paulo publicou em seu perfil no LinkedIn uma foto de uma saída de emergência do avião com um papel no qual havia os dizeres "saída inoperante". A coordenadora de marketing Ana Luiza Collares Xavier afirmou que duas saídas da aeronave estavam quebradas e questionou a empresa sobre o uso do termo "inoperante" e a segurança do voo. 

"Eu, que morro de medo de avião, resolvi voar mesmo assim, mas tenho certeza de que, se a palavra que estivesse no papel fosse 'quebrada', eu não teria voado. Olha como uma palavra pode mudar atitudes e pensamentos", escreveu Ana Luiza. "Como pode um avião decolar com saída de emergência inoperante?"

O voo ocorreu na manhã da última terça-feira, 7, entre o Aeroporto Santos Dumont, na região central do Rio, e o Aeroporto de Congonhas, na zona sul de São Paulo.

A Latam informou ao Estado que a quantidade de saídas de emergência da aeronave que fez o voo JJ 3901 atendia aos requisitos internacionais de segurança, "que preveem o número menor de passageiros no avião nestas condições".

A companhia área disse ainda, em nota, que "a segurança é um valor inegociável em todas as suas operações e segue todas as normas e regulações do setor".

"A empresa informa que a identificação das saídas  - e consequentemente o bloqueio das poltronas no entorno - se faz necessária para atender justamente as regras mundiais de segurança."

Em nota, a Anac informou que está apurando os procedimentos operacionais adotados para o voo. "Se constatadas irregularidades, a companhia poderá ser autuada", diz a nota. O texto informa ainda que a Anac preza pela segurança da aviação civil e "realiza fiscalizações e auditorias programadas, não programadas e sempre que há denúncia".

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.