Passageiro acusa TAM de mentir sobre vôos atrasados

Uma reclamação protocolada na Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), no fim do ano passado, mostra que uma funcionária da TAM pode ter mentido a passageiros que buscavam informações sobre vôos atrasados na véspera do Natal. O episódio aconteceu no dia 22 de dezembro no aeroporto de Congonhas, onde alguns passageiros tiveram acesso à uma planilha de vôos da TAM, que teria a seguinte orientação anotada à mão: "mentir pax (passageiro)". De acordo com um passageiro, que pediu para não ser identificado, o vôo JJ-3270 estava previsto para decolar de Congonhas às 8h38, com destino a Ribeirão Preto, interior de São Paulo. Conforme ele relatou na reclamação, a TAM havia informado que o atraso seria de quatro horas, pois o vôo seria fundido com outro para a mesma cidade. No entanto, quando ele se dirigiu ao aeroporto, por volta das 11 horas, a companhia informou que o avião não decolaria antes das 15 horas, com cerca de seis horas de atraso. "Meu problema não é o atraso, mas a falta de atenção e prestação de assistência", afirma o passageiro. Segundo ele, uma funcionária da TAM, por descuido, lhe deu a planilha com a anotação ao devolver seus documentos. "A resposta era sempre a mesma: não há previsão. Pelo jeito, era mentira", acrescenta. "A TAM esclarece que são falsas e completamente infundadas as insinuações de que seus funcionários do aeroporto de Congonhas, em São Paulo, teriam sido orientados a mentir para os passageiros sobre a situação dos vôos ou sobre qualquer outro assunto relacionado ao atendimento dos clientes", informou ao Estado a companhia aérea, por meio de comunicado. A Anac, por sua vez, confirma que a reclamação foi protocolada no dia 22 de dezembro e informa que, caso o passageiro tenha razão, a companhia poderá ser autuada. Se não for comprovada a denúncia, o caso será arquivado. A partir do registro do documento, a TAM tinha dez dias para apresentar uma resposta, que será analisada pela Anac.

Agencia Estado,

06 Fevereiro 2007 | 19h47

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.