Passageiros da Gol enfrentam atrasos e cancelamentos pelo País

Empresa afirma que problema é reflexo da chuva que atingiu o eixo Rio - SP na quinta-feira, 5

Mônica Reolom e Thaise Constancio, O Estado de S. Paulo

07 Dezembro 2013 | 14h50

Texto atualizado às 19h06

Os passageiros da companhia aérea Gol nos aeroportos de São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Minas Gerais e Pernambuco enfrentavam neste sábado, 7, altos índices de atrasos e cancelamentos de seus voos.

De acordo com a Infraero, 197 voos dos 489 voos previstos pela companhia haviam saído atrasados até as 15h, o que representa 40% do total. O número de cancelamentos era de 41.

A Gol informou, por meio de nota, que o problema foi desencadeado pelas fortes chuvas que atingiram o eixo Rio - São Paulo na noite de quinta-feira, 5. Segundo a nota, por causa do mau tempo os aeroportos apresentaram condições inadequadas para pousos e decolagens nos aeroportos das duas cidades.

"Esses atrasos também tiveram reflexo no limite da jornada de trabalho e descanso de algumas tripulações que tiveram suas cargas horárias vencidas pela regulamentação da categoria gerando impacto nas nossas operações até este sábado", justificou a empresa.

Na quarta-feira, 4, os sindicatos dos aeroviários de todo o País ameaçaram paralisar as atividades no dia 20, caso as negociações de reajuste salarial com as companhias aéreas não avancem. A Gol negou que os transtornos tivessem relação com as sinalizações de greve ou com a demissão de cerca de 850 trabalhadores da Webjet em março. A Webjet foi comprada pela companhia aérea em 2011.

Sem ar. Pela elevada quantidade de passageiros circulando no aeroporto neste sábado, o ar-condicionado do Santos Dumont não dava vazão. O supervisor do aeroporto, Fábio Quinhões, afirmou que o aparelho funciona adequadamente e passa por vistorias e manutenções periódicas. "Como tem muita gente circulando, o ar não dá vazão, mas vamos regular para melhorar a temperatura."

A companhia afirmou que estava trabalhando para a normalização da operação e que "eventuais alterações nos horários e trajetos de voos são procedimentos, ainda que indesejados, às vezes necessários às operações aéreas".

Confira a repercussão na internet:

 

Mais conteúdo sobre:
Golempresa aéreavoosaeroportos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.