Passageiros de carro que atropelou filho da Cissa podem se livrar de júri

Rafael Mascarenhas morreu na zona sul após o acidente; motorista foi indiciado por homicídio doloso

Solange Spigliatti, Central de Notícias

07 de dezembro de 2010 | 12h58

SÃO PAULO - Os dois passageiros que estavam no carro que atropelou e matou Rafael Mascarenhas, filho da atriz Cissa Guimarães, no dia 20 de julho, no Túnel Acústico, na Gávea, zona sul do Rio de Janeiro, poderão se livrar do júri popular.

 

Segundo o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ), às 13h30 será realizada uma audiência presidida pelo juiz do 2º Tribunal do Júri da capital, Paulo de Oliveira Lanzelloti Baldez, para tentar um acordo.

Será feita uma proposta de transação penal com o estudante Gabriel Henrique Ribeiro e com Guilherme de Souza Bussamra, irmão de Rafael Bussamra, motorista do carro. O acordo pretende acertar o pagamento de cesta básica e prestação de serviços.

 

A proposta foi feita pelo Ministério Público do Estado. O estudante Rafael Bussamra, que confessou ter atropelado e matado Rafael Mascarenhas, foi denunciado por homicídio doloso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.