Passageiros de ônibus de Presidente Prudente podem pagar contas nos coletivos

Começou a funcionar nesta quinta-feira, 12, em Presidente Prudente, no interior de São Paulo, um sistema que transforma os ônibus urbanos em correspondentes bancários. O Passe-Pague permite que os passageiros possam pagar contas e recarregar os telefones celulares ou fixos durante as viagens. O sistema começa a valer no momento em que o preço da passagem sobe de R$ 1,80 para R$ 2,00.O sistema, que foi testado experimentalmente em seis linhas em julho e agosto do ano passado, teve boa aceitação pelos moradores e agora será instalado definitivamente. Ele vai possibilitar que as mesmas contas pagas em farmácias, bancas de jornais, supermercados e loterias também possam ser recebidas pelos ônibus, no limite de R$ 200,00, e até as 17 horas.Por enquanto, 22 ônibus receberam o sistema, que será introduzido em toda a frota de 144 veículos da cidade, numa proporção de 20 ônibus por semana. Em três anos, o sistema deverá sem instalado em 10 mil veículos de outras cidades, incluindo capitais.O funcionamento é garantido por uma linha móvel de telefonia, que possibilita o pagamento com o ônibus em movimento, e leitor óptico de leitura de código de barra. O passageiro paga as contas ou recarrega o telefone depois de passar pela catraca e recebe o comprovante de pagamento do cobrador.A introdução do sistema, além de facilitar a vida dos passageiros e reduzir filas nos bancos, salvou os cobradores que perderiam o emprego com introdução das catracas eletrônicas. Pesquisa encomendada pela Innovare, empresa que instalou o sistema, concluiu que 80% dos passageiros de transporte coletivo não possuem conta bancária e que 95% dos celulares deles são pré-pagos.DesconfiançaO anúncio do sistema, entretanto, foi visto com desconfiança por alguns passageiros, por ter sido feito num momento em que as duas concessionárias do município reajustaram as passagens de R$ 1,80 para R$ 2,00. O reajuste começa a valer a partir deste sábado, 14. "Não acho que o preço da tarifa seja muito alto, mas está na cara que esse aumento veio para tentar amenizar o impacto do aumento", disse a secretária Silvia Maria Guaglialdo, que usa o coletivo para ir e voltar do trabalho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.