Passageiros do Mistral aceitam acordo e desembarcam no Rio

Os 1.500 passageiros do navio de bandeira espanhola Mistral, que atracou hoje no Rio, conseguiram entrar em acordo com a operadora do cruzeiro e desistiram de permanecer dentro da embarcação. Insatisfeitos com uma mudança no roteiro da viagem, eles ameaçavam não descer no Píer Mauá, imitando o protesto dos turistas do transatlântico Queen Mary 2, que passou pela cidade há uma semana e também ameaçavam um "motim" contra descumprimento do contrato. Segundo a operadora CVC, o desembarque foi tranqüilo, pois na noite de ontem a empresa decidiu devolver 25% do valor da viagem, que varia entre US$ 800 e US$ 1.800, para compensar a suspensão da parada em Ilhéus, na Bahia. O trecho do roteiro foi mudado por falta de capacidade do porto baiano, explicou a empresa, informando que só poderiam atracar no local dois navios por vez. Os passageiros do Mistral embarcaram em Santos e deveriam passar pelas praias de Salvador, Ilhéus e Búzios. Com a modificação na rota, receberam uma proposta de desconto de 15% na próxima viagem pela empresa, mas não aceitaram. No dia 27 passado, os 2.620 turistas do Queen Mary 2 ficaram também sem o trecho do roteiro que passava por Salvador. Com o cancelamento de três escalas por conta de problemas no motor do transatlântico, exigiam o ressarcimento do valor total da tarifa paga, algo entre US$ 2 mil e U$$ 17 mil. A companhia acabou acatando o pedido, evitando problemas no desembarque.

Agencia Estado,

04 Fevereiro 2006 | 15h08

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.