Passageiros ficam no avião durante conexão ''''fantasma''''

Vôo de Congonhas para Salvador fez parada ?relâmpago? no Tom Jobim

Mariana Barbosa e Humberto Maia Júnior, O Estadao de S.Paulo

04 de novembro de 2007 | 00h00

Na terça-feira, a reportagem do Estado embarcou em dois vôos distintos, um com destino a Cuiabá e outro para Salvador - localidades teoricamente proibidas para vôos com origem ou destino no Aeroporto de Congonhas. Nos dois casos, o vôo foi repartido em dois e a escala transformada numa espécie de conexão pro forma. Na ida e na volta, não foi preciso descer do avião para fazer conexão. Aliás, atenção fumantes: nesta nova modalidade de conexão, não é permitido descer do avião. Para saber se será preciso trocar ou não de aeronave basta conferir a duração estimada da conexão. Se for de 30-40 minutos, são grandes as chances de o passageiro não precisar sair do avião."Agora só vou fazer esse vôo de Congonhas para Salvador", disse o produtor de eventos Fernando Abrão, de 25 anos, durante uma conexão pro forma no Aeroporto Tom Jobim, o Galeão, no Rio. Apesar de revoltado por não poder descer do avião para fumar, Abrão gostou de descobrir que a parada seria "relâmpago". "Moro a 15 minutos de Congonhas, optei pelo vôo com conexão porque ia gastar o mesmo tempo ou mais no trânsito pra Cumbica. Fora os R$ 100 de táxi só para ir", conta Abrão, que viaja com regularidade para o Nordeste.Nessa de repartir um vôo em dois para driblar a restrição, as companhias embaralharam as definições de conexão e escala. A confusão começa na mensagem de texto enviada para o celular: "TAM confirma e-ticket, vôo JJ 3315 SSA/CGH (Salvador/Congonhas)." Nenhuma menção ao segundo vôo ou ao destino intermediário, no caso Confins, em Minas. Até a tripulação faz confusão. Antes da chegada a Confins, questionada se haveria troca de avião, uma comissária disse que não. O comandante foi na mesma linha. Após a conexão, na mensagem de boas-vindas aos passageiros do segundo vôo, veio o ato falho. Em vez de "daremos início ao vôo", o comandante avisou: "Daremos prosseguimento ao vôo."O passageiro fica sabendo que não haverá troca em cima da hora. Como num teatro bem ensaiado, na chegada a Confins, onde seria feita a troca de avião na volta de Salvador, o comandante se despediu dos passageiros e deu as instruções de praxe. Só segundos antes da abertura das portas, quando todos já estavam de pé, é que veio a instrução: "Passageiros em conexão para Congonhas permaneçam a bordo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.