Passageiros reclamam da longa espera nos aeroportos do País

Após uma terça-feira de caos nos aeroportos, devido a uma pane técnica no Cindacta-1 de Brasília, a quarta-feira foi novamente de espera para os passageiros em todo o País. De acordo com a Agência Nacional de Aviação (Anac), pelo menos 109 vôos foram cancelados e 309, sofreram atrasos.Após uma noite aguardando informações sobre seu vôo para Salvador no saguão do Terminal 1 do Aeroporto Internacional do Rio, a maquiadora Júlia Cardoso, 18 anos, exibia um semblante de cansaço. O vôo, marcado para as 23h de terça-feira, foi cancelado quando ela já estava no aeroporto. "Estava uma grande confusão, com filas quilométricas e todo mundo muito nervoso. Não tive outra alternativa a não ser ficar esperando aqui mesmo no aeroporto". Da Gol, ela recebeu a previsão de embarque para as 16h. Pensou em sair, dar uma volta no Rio, mas desistiu de deixar a Ilha do Governador na esperança de que pudesse haver uma solução mais cedo. Até o meio-dia, nem um sinal. Cansada, resolveu se conformar tirando sonecas amparada pela bagagem. "Quando soube que havia problemas nos aeroportos fiquei preocupada, mas não sabia que seriam tantos transtornos". Também no Aeroporto Internacional do Rio, o estudante de medicina Raphael de Brito Fernandes, 19 anos, já não tinha mais o que fazer a não ser dormir. Cansado, ele estava fora de casa desde a madrugada de terça. Raphael estuda em Colatina, no interior do Espírito Santo, e pretendia passar as férias com a família em Rio Branco, no Acre. Acordou cedo, para chegar a tempo de embarcar às 6h no Aeroporto de Vitória. O vôo da Gol com conexão no Rio atrasou uma hora. Ao chegar à capital fluminense, descobriu que o vôo para Brasília, onde ele pegaria outro avião para o Acre, fora cancelado. A viagem que deveria iniciar às 8h30 foi remarcada para as 19h de desta quarta. Ao meio-dia, o rapaz já estava desanimado com a perspectiva de passar o dia no aeroporto. "Estou em trânsito desde a madrugada, não dormi direito. Gostaria de pelo menos ter um lugar para descansar, mas a companhia diz que não é possível, joga a gente de um lado para o outro. Resolvi comprar a passagem por trechos para economizar e me dei mal. Em novembro, quando fiz a reserva, imaginei que esse problema já teria sido resolvido", queixou-se. 24 horas de espera O casal de agentes de viagens Tatiana Ramos e Alexandre Malman completou nesta quarta-feira 24 horas à espera de um avião para voltar para casa, em Porto Alegre. O casal escolheu o Rio para passar alguns dias de descanso com a filha, Maria Eduarda, de seis meses. "Nossas pequenas férias se transformaram num tormento", desabafou Tatiana nesta manhã, ao ouvir mais uma vez que o vôo para a capital gaúcha fora cancelado. A saga do casal começou na terça-feira, às 11h. Confiantes, chegaram cedo ao aeroporto para embarcar às 15h25, mas o vôo da Gol foi cancelado. "O vôo nem aparecia no painel", disse Tatiana. Eles aguardaram até as 21h e, depois de muita insistência, conseguiram que a companhia enviasse a família para um hotel. "Eu estava sentada no chão, sem poder amamentar a minha filha. Eles queriam que eu entrasse na sala de embarque para não dar mais entrevistas, mas eu não aceitei porque não havia garantias de que iria embarcar", contou. Depois de ter o vôo marcado para as 9h50 de ontem novamente cancelado, o casal conseguiu finalmente embarcar às 11h, mas teve ainda de enfrentar escalas em Campinas, São Paulo e Curitiba. Às 16h, a família chegou em casa. "Acabei de entrar no meu apartamento. Finalmente. Vou ligar o ar-condicionado, deitar na cama e descansar. Depois penso em como processar os responsáveis. Perdi negócios e tive um prejuízo de R$ 5 mil", contou Malman, dono de uma agência de turismo, por telefone. "Agora sentimos na pele o que têm passado nossos clientes", disse Tatiana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.