Passageiros reclamam de serviço prestado pela Varig

Patrícia Célia Rocha, de 31 anos, e Arnóbio Pacheco, de 54, saíram de Porto Alegre (RS) e Natal (CE), às 14 e 15 horas de quinta-feira, respectivamente, e pegariam, às 21h30, uma conexão para a capital chilena no vôo 9982, no Aeroporto Internacional de São Paulo, em Cumbica, Guarulhos. Mas, segundo os passageiros, o vôo acabou sendo remarcado para às 23h30. Entretanto, às 23h10, foram informados sobre o cancelamento. Um novo vôo, o de nº 8920, sairá às 9h35 desta sexta-feira. Patrícia contou que as cerca de 50 pessoas que embarcariam na conexão foram levadas para um hotel da Rede Mônaco, no Centro de Guarulhos, mas, como não havia vagas para todos, 15 passageiros foram transferidos para outro hotel da mesma rede, localizado na Praça Tereza Cristina, nº 61, também no Centro de Guarulhos, onde os problemas prosseguiram. Cansaço e fome"Estamos sem comer, cansados e os quartos aqui disponíveis neste hotel estão imundos. Camas desarrumadas e usadas, comida pelo chão e banheiros sujos". Eles (a Varig) prometeram quer iriam nos levar para outro hotel, mas até agora nada. Confiamos na empresa e agora nos acontece isso. Precisamos dormir, estamos com fome, relatou a médica. Era 1h45 desta madrugada de sexta-feira quando a reportagem do Estado falou com Patrícia. "É um transtorno, um descaso. Estamos sem jantar e tem gente aqui com problema de saúde", desabafou Arnóbio. Segundo o centro de controle da Varig, às 2h30 da manhã, a empresa entrou em contato com os passageiros que estavam no hotel e realmente havia colocado uma van à disposição (que não comportaria todos) e um táxi para levá-los para um terceiro hotel, onde o grupo poderia tomar banho e descansar um pouco antes de retornar para o aeroporto. Naquele momento, os funcionários do hotel onde os passageiros estavam davam início à arrumação dos quartos, segundo informou o médico vindo de Natal. O grupo, de acordo com a empresa aérea, se recusou em se separar na ida até o terceiro hotel e, por meio de um dos passageiros, disse que gostaria de retornar para o aeroporto. "Eles estão com crianças, não seria viável que voltassem para o aeroporto, pois aqui não temos quartos e como comportar todos. O vôo só sairá às 9h35. Eles disseram que ou vão todos juntos numa mesma condução ou ninguém vai. O hotel para onde serão levados é de quatro estrelas. Estamos tentando fazer a nossa parte, mas eles se recusam", afirmou um dos funcionários da empresa que trabalha no centro de controle da Varig em Cumbica.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.