Passageiros reclamam de sistema de transporte no Rio

Licitação diminuiu quantidade de vans que faziam linha entre as cidades da região metropolitana

Agência Brasil,

10 de setembro de 2009 | 18h16

O primeiro dia com as novas regras para o transporte alternativo intermunicipal no Rio de Janeiro começou com muitas reclamações e dúvidas de usuários. Mas o trânsito melhorou no centro da cidade, com a circulação de veículos mais tranquila e sem tumultos.

 

Veja também:

linkMotoristas de lotação realizam novo protesto no Rio

 

Os passageiros que utilizam as vans intermunicipais como meio de transporte já estão sentindo os efeitos das novas regras estabelecidas pelo governo estadual. Isso porque estão circulando somente 462 veículos, cujos motoristas atenderam a todos os requisitos da licitação. Eles operam em 50 linhas legais, que ligam os municípios aos terminais da Leopoldina, destinado a 281 vans, e da Central, onde podem parar 15. Segundo as normas da licitação, os veículos não podem embarcar ou desembarcar passageiros no meio do caminho.

 

Além da demora para conseguir uma vaga numa van, devido à redução no número de veículos em circulação, os passageiros reclamam principalmente dos novos pontos de parada no centro do Rio. Motoristas de vans que seguiam da Baixada Fluminense, de Niterói e de Alcântara não podem ir até a Central do Brasil. Com isso, para chegar à Central do Brasil, é preciso pegar outra condução e pagar mais uma passagem.

 

A farmacêutica Elizabeth Siamarela chegou às 6h30 na Estação da Leopoldina e esperou quase duas horas por uma van com destino a Xerém. Ela desaprovou o novo sistema. "Na Avenida Brasil está um caos e aqui falta van. Não quero nem imaginar como vai ser na volta para casa. Isto não vai dar certo." Elizabeth se queixou também da falta de estrutura na estação, que à noite é pouco iluminada.

 

O presidente do Departamento de Transportes Rodoviários (Detro), Rogério Onofre, disse que as vans legais vão absorver 20% da demanda de passageiros das linhas de ônibus que fazem o mesmo percurso. Ele garantiu que os usuários não vão ser prejudicados com a redução do número de vans, pois as empresas de ônibus aumentaram a frota para absorver a demanda.

 

O Detro intensificou a fiscalização nesta quinta-feira, 10, para evitar a circulação de vans piratas e manifestações. Cerca de 140 fiscais, com o apoio das policias Civil e Militar, se posicionaram em vários pontos da região metropolitana do Rio. Na parte da manhã, quatro vans ilegais foram apreendidas. O Detro informou que a operação será mantida por tempo indeterminado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.