Passagem de trem e metrô sobe no domingo

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) autorizou nesta quarta-feira à noite um pacote de aumentos no transporte. As passagens do metrô, dos trens da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) e dos ônibus intermunicipais sobem a partir de domingo. A elevação vai passar de 25% em alguns casos, mas a Secretaria dos Transportes, em nota, ressalta o fato de o bilhete único do Metrô ter subido menos do que a passagem de ônibus na capital, em Guarulhos e no ABC.De fato, o bilhete unitário terá aumento de 18,75% - passando de R$ 1,60 para R$ 1,90 - enquanto em São Paulo a passagem de ônibus subiu 21,43% e no ABC, 25%. Mas o múltiplo de dois - que vai de R$ 2,70 para R$ 3,40 - terá alta de 25,92%. O múltiplo de dez passa de R$ 12,50 para R$ 15,50 e também vence os índices aplicados às passagens de ônibus da capital, ficando em 24%.As justificativas dadas para o aumento são a elevação nos custos de energia, manutenção, segurança, limpeza e salários desde a última alta de preços, há 18 meses. Nesse período, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) foi de 20,79%, o Índice de Preços ao Consumidor (IPC) ficou em 14,7% e o Índice Geral de Preços do Mercado (IGPM) registrou 32,57%.Nas Linhas B e C da CPTM, os índices e valores são os mesmos que os do metrô. Nas Linhas A/D e E/F o bilhete passou de R$ 1,25 para R$ 1,55. Nos ônibus intermunicipais, a tarifa vai passar a variar de R$ 1,30 a R$ 3,20, dependendo da extensão percorrida.Ao saber do novo aumento das tarifas dos transportes públicos, a empregada doméstica Marcela Cassiano, de 21 anos, reagiu com uma pergunta: "O salário também vai subir?" Marcela, que ganha R$ 200,00 mensais, gasta R$ 3,75 por dia com condução. "Daqui a pouco vou pagar para trabalhar."Com gasto diário de R$ 8,20 com as cinco conduções que usa para ir ao trabalho, à faculdade e voltar para casa, o estagiário Marcio Lemos Vieira, de 20 anos, considerou a nova tarifa abusiva. Quando soube do reajuste, o estudante Renato de Oliveira Carvalho, de 22 anos, balançou a cabeça negativamente e fez apenas um comentário: "É um absurdo".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.