Passeata cobra solução para desaparecimento de estudante no Rio

Uma passeata que reuniu cerca de 50 pessoas na Barra daTijuca (zona oeste) chamou atenção para o desaparecimento da estudante Renata Nascimento de Lucena Gonçalves, 22 anos, ocorrido há seis dias. A mãe dela, a jornalista Regina Gonçalves, reclamou da atuação dapolícia e pediu mais rigor na investigação. O caso foi registrado na16ª DP (Barra da Tijuca). Regina viu a filha pela última vez na noite do dia 28 de abril, ao deixá-la, às 18 horas, na esquina da Escola Estadual Vicente Januzzi, na Barra. Renata é surda. ?Embora tenha leitura labial, é complicado, pois muitas pessoas não entendem?, disse a jornalista. Ela afirmou queestá fazendo o trabalho da polícia. ?Tudo depende de ofício. E apolícia só vai checar a informação quando tem viatura. Isso não pode. Se a gente não gritar agora, amanhã podem estar seqüestrando a filha do secretário de Segurança Pública?, protestou. Desde o desaparecimento da filha, Regina recebeu três telefonemasdando pistas sobre o paradeiro da estudante. No último, foi pedido um resgate de R$ 100, mas a jornalista disse acreditar ter sido trote, já que espalhou cartazes em várias partes da cidade com a foto e umtelefone de contato. ?Já ligaram dizendo que ela estava em Pedra deGuaratiba e em Friburgo, mas as informações não se confirmaram?,contou. Outra passeata vai sair do Instituto Nacional de Educação desSurdos, em Laranjeiras. ?Vamos até ao Palácio do Governo pedir ajuda da governadora?, disse Regina.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.