Passeata em Vitória cobra justiça no caso de juiz morto

Pelo menos 2 mil estudantes universitários fizeram nesta terça-feira manifestação para cobrar justiça no caso do juiz Alexandre Martins de Castro Filho, de 32 anos, assassinado nesta segunda-feira. Alunos do magistrado demonstravam emoção e revolta ao caminhar em passeata, vestidos de preto, pelas principais ruas da cidade, desde a Faculdade de Direito de Vitória (FDV) até o Tribunal de Justiça.Sem a presença de políticos ou sindicalistas, a manifestação foi organizada espontaneamente por estudantes. "Esse Estado está podre. Ele tentou mudar as coisas e foi morto. Tomara que seja o início de uma mudança", disse, chorando, Kamila Pegoretti, de 22 anos, que cursa o 7º período de Direito e foi aluna de Castro Filho por um ano e meio. Ela caminhava com uma foto dele nas mãos.Faixas eram exibidas com a frase "A guerra é aqui". Motoristas que passavam pela manifestação buzinavam, apoiando o protesto. "Não queremos mais sentir vergonha de sermos capixabas. Vamos engolir o crime organizado. Essa luta não termina com a prisão dos criminosos", dizia um locutor do carro de som.Na Avenida Nossa Senhora da Penha, os estudantes pararam a passeata para fazer um minuto de silêncio e cantaram, de mãos dadas, o Hino Nacional. Um estudante levava uma bandeira do Brasil manchada de vermelho. Alunos do juiz pretendem homenageá-lo dando o nome dele ao Centro Acadêmico da faculdade. Muitos andavam com as palavras Justiça e Paz escritas no corpo. Veja o especial:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.