Passeata pela paz reúne cerca de 700 pessoas no Rio

Setecentas pessoas, de acordo com cálculos dos organizadores, participaram nesta terça-feira, 10, de mais um ato pela paz no Rio. A passeata, batizada de 2.ª Caminhada Unificada, homenageava todas as vítimas da violência no Estado e chegou à Cinelândia, no centro, às 19 horas. Misturado à multidão, vestindo uma camiseta com a foto do menino João Hélio Fernandes Vieites, assassinado aos 6 anos, no início de fevereiro, o prefeito de Araruama, Francisco Ribeiro (sem partido), disse que pretende "dar um rumo" ao movimento. Doze ônibus vieram do município, localizado na Região dos Lagos, para a manifestação, que teve a presença também de dirigentes da União Nacional dos Estudantes (UNE). "Não adianta colocar mais policiais ou o Exército nas ruas. Precisamos de investimento em educação, de um exército de professores. Eduquemos as crianças hoje para não punirmos os homens amanhã", disse Ribeiro. Ele afirmou que em Araruama 40% de toda a arrecadação é destinada à Educação. No caminho entre a Candelária e a Cinelândia, os manifestantes interditaram o trânsito em meia pista da Avenida Rio Branco, sob proteção da PM. Eles gritavam palavras de ordem como "Reage, Brasil!" e "A morte do João não será em vão". O Sindicato dos Vigilantes do Município cedeu uma Kombi com alto-falantes para a passeata.

Agencia Estado,

10 Abril 2007 | 19h42

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.