Passeio Público do Rio reabre os portões aos visitantes

Depois de um ano de reformas, o Passeio Público do Rio de Janeiro, primeiro parque público do Brasil, foi reaberto nesta terça-feira ao público. Chafarizes, esculturas, pontes, jardins e pequenos lagos compõem o visual dos 33.600 metros quadrados de área verde encravada no centro da cidade, entre a Lapa e a Cinelândia.Criado em 1783 por Mestre Valentim da Fonseca e Silva, um dos maiores artistas do período colonial brasileiro, o parque foi ponto de encontro da população carioca nos séculos XVIII e XIX. "O Passeio Público foi freqüentado pela nata da sociedade e até o imperador D. Pedro II andou por aqui. Por volta de 11 horas, ninguém agüentava o calor do dia, as roupas eram muito pesadas e o parque surgiu como o primeiro jardim com alamedas arborizadas para passear", disse o historiador Milton Teixeira.As pessoas que passaram nesta terça pelo Passeio Público viram apresentações de música clássica, chorinho, e música barroca. Com as obras da prefeitura, orçadas em R$ 1,8 milhão, foram recuperadas as instalações hidráulicas e de esgoto do parque, permitindo a reativação das fontes dos amores, do Jacaré, do Menino e o lago do Tritão. Os monumentos pichados foram limpos e os bancos trocados, assim como a grade no entorno. Dentre as novidades, está uma cabine usada como banheiro público.Mestre Valentim criou um jardim em estilo francês e formas geométricas, que foi ornamentado com suas estátuas em pedra e peças em bronze, além de lampiões de óleo de peixe. O parque, que já abrigou até um "theatro-cassino"(grafia usada na placa informativa aos visitantes), recebeu novo traçado paisagístico do arquiteto francês Auguste Marie François Glaziou, em 1861. Segundo a Fundação Parque e Jardins, a Guarda Municipal fará rondas por 24 horas no local, que será aberto das 7 às 18 horas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.