Pastor Marcos é denunciado por agir como 'pombo-correio' do Comando Vermelho

Religioso está preso desde maio acusado de estuprar duas fiéis de sua igreja

Marcelo Gomes - O Estado de S.Paulo,

03 Setembro 2013 | 19h37

RIO - O Ministério Público do Rio denunciou à Justiça, com pedido de prisão preventiva, contra o traficante Márcio Nepomuceno dos Santos, o Marcinho VP, e o pastor Marcos Pereira da Silva, da Assembleia de Deus dos Últimos Dias (ADUD), pelo crime de associação para o tráfico.

De acordo com o MP-RJ, a associação da dupla para o tráfico de drogas começou em 1993, quando Marcos Pereira fazia trabalho de evangelização em presídios, delegacias e comunidades dominadas pelo tráfico. Naquela época, Marcinho VP começava a ascender na estrutura do Comando Vermelho, maior facção criminosa do Rio, da qual é hoje um dos principais chefes.

A denúncia diz que, no início, Marcos Pereira agia como "pombo correio", levando ordens de chefes do tráfico que estavam presos para as comunidades onde atuavam. Ele se aproveitaria do fato de ter acesso aos presos como pastor.

No início dos anos 2000, o religioso passou a filmar suas supostas ações de resgate, nas quais ele aparecia para salvar alguém que havia sido condenado à morte pelo "tribunal do tráfico" ou para conter rebeliões em unidades prisionais. Para o MP-RJ, tudo não passava de encenação.

Segundo a denúncia do MP-RJ, em 2006 o pastor repassou ordens de traficantes presos a seus comparsas soltos em favelas para promover os ataques a bases policiais e ônibus no Rio. A onda de violência foi uma forma de os traficantes protestarem contra o programa de isolamento deles em presídios federais, com a implantação do Regime Disciplinar Diferenciado (RDD).

O religioso está preso preventivamente desde maio acusado de estuprar duas fiéis de sua igreja.

Mais conteúdo sobre:
Pastor MarcosComando Vermelho

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.