Patrícia Abravanel reconhece quatro seqüestradores

A Delegacia Anti-Seqüestro (Deas) ouviu nesta segunda-feira o depoimento da estudante Patrícia Abravanel, filha do apresentador Silvio Santos, no inquérito sobre o seu seqüestro.Ela contou em detalhes como foi apanhada pelos bandidos e os dias em que viveu no cativeiro no Morumbi até ser libertada com o pagamento de R$ 500 mil de resgate.Ela reconheceu quatro dos seis acusados de compor a quadrilha que a seqüestrou por meio de fotografias que lhe foram apresentadas pela polícia.De acordo com o delegado Godofredo Bittencourt Filho, diretor do Departamento de Investigações sobre Crimes Patrimoniais (Depatri), Patrícia esteve tranqüila durante o depoimento. "Ela repetiu aquilo que já havia dito aos jornalistas."A estudante não teria feito nenhuma revelação.Seu depoimento havia sido requisitado pelo juiz Adílson de Araújo, titular da 30ª Vara Criminal, para instruir o interrogatório dos réus, marcado para o dia 3 de outubro. Todos os acusados estão com prisão preventiva decretada. Um deles, Marcos Batista Santos, permanece foragido.Além de Marcos, estão sendo acusados do seqüestro seu irmão Marcelo Batista dos Santos, o Pirata, Fernando Dutra Pinto e seu irmão Esdras e as namoradas deles, Luciana Santos Souza, a Jeniffer, e Tatiana Pereira dos Santos.Além do seqüestro de Patrícia, os réus também respondem à acusação de formação de quadrilha.Esdras e Fernando são acusados de porte ilegal de arma, e Fernando enfrenta sozinho a acusação de seqüestrar Silvio Santos.A advogada dos acusados, Simone Badan Caparroz, afirma que vai tentar desclassificar a acusação de seqüestro de Silvio Santos e torná-la crime de cárcere privado, pois Fernando, segundo ela, não quis obter vantagem com o ato, só tentou salvar a vida.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.