Patriota: País espera dos EUA ''relação de iguais''

Segundo chanceler, esse reconhecimento é mais importante para o Brasil que uma declaração qualquer sobre o Conselho de Segurança

Lisandra Paraguassu / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

18 de março de 2011 | 00h00

A chancela do governo americano às pretensões brasileiras de reformar o Conselho de Segurança das Nações Unidas não deve vir na bagagem do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama. Mas o Brasil não só não espera uma declaração formal, como não considera que o apoio americano fará uma real diferença. O que o governo brasileiro espera de Obama é, de acordo com o chanceler Antonio de Aguiar Patriota, uma relação de iguais.

"Em linguagem simples e direta, esperamos uma relação de igual para igual. As circunstâncias do mundo de hoje favorecem muito isso. O Brasil se consolidou como democracia, como economia. Essa capacidade de liderança em todos esses diferentes temas de interesse global, a capacidade de articulação tanto com o mundo em desenvolvimento quanto no mundo desenvolvido. Isso oferece frentes múltiplas de interlocução."

O reconhecimento dessa relação é mais importante para o Brasil que uma declaração qualquer sobre o Conselho de Segurança. "Uma manifestação dos Estados Unidos não vai por si só afetar dramaticamente o curso dos acontecimentos. A reforma do Conselho de Segurança envolve o entendimento nas Nações Unidas sobre uma série de questões específicas", observou Patriota. "Então um discurso dos Estados Unidos sobre o país X ou Y é um dado importante, significativo, uma manifestação de respeito pela política externa de um país, pela sua capacidade de contribuir para a paz e segurança internacional, mas não é em si mesmo uma panaceia."

Peso do Irã. Em novembro do ano passado, em visita à Índia, Obama declarou apoio à pretensão da Índia em obter um assento no Conselho de Segurança reformado. Com Brasil, Alemanha e Japão, a Índia forma o G4, o grupo mais forte de candidatos a novos donos de um assento permanente no conselho.

No entanto, as manifestações dos americanos sobre as intenções brasileiras podem ser consideradas no máximo como tímidas. A atuação brasileira na questão das armas nucleares do Irã pesou contra o País.

Ainda assim, a diplomacia brasileira considera que há uma mudança de direção depois dos elogios feitos pela secretária de Estado, Hillary Clinton, à atuação do Brasil no Haiti, em fevereiro, durante a visita de Patriota.

A declaração de Obama sobre a Índia é vista pelos brasileiros mais como um sinal de que, talvez, os americanos passem a se engajar em uma reforma do Conselho de Segurança, o que não fizeram até agora. De acordo com Patriota, a falta de uma decisão sobre a reforma está gerando "impaciências" entre os países.

"Eu vejo como uma questão que adquirirá mais e mais relevância à medida que se acelera esse processo de transformação geopolítica do mundo que estamos presenciando hoje. Quem diria que em tão pouco tempo o G20 se firmaria como o foro privilegiado de coordenação sobre temas econômicos e financeiros? Há um sentimento de que na ONU essa onda de reformas ainda não chegou para valer e já existem manifestações de crescente impaciência em relação a isso", afirmou.

Em uma conferência de imprensa por telefone na tarde de ontem, o secretário de Estado adjunto para Assuntos do Hemisfério Ocidental do governo americano, Arturo Valenzuela, afirmou que o governo Obama tem o compromisso de dar a real importância às organizações e à cooperação internacional e reconhece a necessidade de uma reforma na ONU.

"Estamos muito conscientes de que a arquitetura das Nações Unidas que serviu muito bem até hoje precisa de mudanças. E como essa mudança será feita certamente será discutida no Brasil", disse, mas sem se comprometer com as pretensões brasileiras.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.