Patrus deixa pasta para brigar em MG

Patrus deixa pasta para brigar em MG

Ministro do Desenvolvimento Social vai disputar com o ex-prefeito de Belo Horizonte a pré-candidatura ao governo do Estado

João Domingos, O Estado de S.Paulo

31 de março de 2010 | 00h00

/ BRASÍLIA

Após conversa com o presidente Lula sobre a necessidade de fortalecer a campanha da ministra Dilma Rousseff em colégios importantes, o ministro Patrus Ananias deixou a pasta do Desenvolvimento Social.

 

Veja também:

 

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gifSerra prepara discurso de despedida

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gifPSDB espera 5 mil militantes na despedida de Serra do governo

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gifAécio deixa governo de MG e passa cargo para Antônio Anastasia

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gif Sem candidatura definida, Patrus deixa o governo

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gif Quatro secretários de Cabral deixam o governo

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gif Pedro Brito fica até final do mandato de Lula

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gif Pedetista assume Prefeitura de Porto Alegre

https://www.estadao.com.br/estadao/novo/img/icones/mais_azul.gifPMDB pressiona Lula para reverter decisão do PT no MA

Patrus vai disputar com o ex-prefeito Fernando Pimentel a pré-candidatura ao governo de Minas Gerais pelo PT. E é aí que está o fruto do acordo dele com Lula para facilitar a vida de Dilma Rousseff em Minas.

Enquanto trabalhará para vencer as prévias, Patrus negociará uma aliança com o peemedebista Hélio Costa, que deixou o Ministério das Comunicações.

Com o PT ou o PMDB à frente, deverá ser montado apenas um palanque para Dilma, sem divisões. Nesse processo, tanto Lula quanto Patrus esperam envolver Fernando Pimentel nas negociações, fazendo com que ele também abrace a ideia de que PT e PMDB não devem disputar as eleições separadamente.

"Sou pré-candidato ao governo pelo PT. Vou fazer uma campanha aberta, republicana, ética. Espero vencer", disse Patrus, admitindo que pode abrir mão de sua candidatura em favor de Hélio Costa, se isso for necessário.

"É claro que aquilo que a gente deseja e trabalha nem sempre acontece. E, se não acontece, a gente busca novos cenários", afirmou Patrus, sem adiantar quais são os novos cenários.

No PT, comenta-se que pode ser uma vaga para senador ou para deputado federal, cargo que já exerceu com mais de 500 mil votos nas eleições de 2002. Patrus será substituído por Márcia Lopes, irmã do chefe de gabinete do presidente Lula, que já foi secretária executiva do Ministério do Desenvolvimento Social.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.