Divulgação
Divulgação

Paul McCartney faz show em Santa Catarina debaixo de chuva

30 mil pessoas lotaram desde o fim da tarde o Estádio da Ressacada, em Florianópolis

Julio Maria, O Estado de S. Paulo

25 Abril 2012 | 22h28

FLORIANÓPOLIS - A cruzada de Paul McCartney por terras brasileiras em que nunca havia pisado teve seu fim na noite desta quinta-feira, 25, debaixo de chuva. De paletó azul, Paul começou seu show pontualmente as 21h30 com Magical Mistery Tour quando a chuva começou a vir aos poucos. Logo depois de Juniors Farm, falou com o público em português: "Boua noitche manezinhos", usando a forma como os catarinenses se referem ao povo de Florianópolis.

Depois de passar pelo Recife, onde fez shows sábado e domingo, Paul trouxe sua turnê On The Run para as 30 mil pessoas que lotavam desde o fim da tarde o Estádio da Ressacada, a casa do Avaí Futebol Clube, ao sul de Florianópolis. Em 2010 e 2011, São Paulo e Rio de Janeiro viram o músico a bordo da Up and Coming Tour. O Paul modelo 2012 muda pouco. Estão lá Drive My Car, Let Me Roll It, Lei it Be e Hey Jude, estas duas com o mesmo poder catártico que mostrou em São Paulo, facilmente medido pelas lágrimas e braços erguidos durante sua execução. São canções que o grupo que já o acompanha há mais tempo do que os Beatles (são 12 anos na estrada contra 10 do quarteto inglês) toca com uma vibração que nunca parece automática. Seu show segue um padrão de reservar em quase três horas de duração 70% de seu set list aos Beatles, 20% aos Wings e 10% às criações de sua carreira solo intermitente, como a bela My Valentine, do álbum mais recente Kisses in the Botton.

Os brasileiros dizem adeus e ele diz olá há três anos. Paul gostou da brincadeira. Escreveu em seu site, depois de uma apresentação em São Paulo, em 2010, que aquela havia sido a melhor de toda a temporada.

Santa Catarina esperava Paul com uma euforia de debutante. Era o primeiro grande show internacional a vir para Florianópolis, seriam os primeiros passos de um beatle em solo catarinense. Um jornal local estimulou um concurso em que ganharia o cidadão que decorasse a fachada de sua casa com frases e desenhos dando boas vindas a Paul. No mercado central da cidade, as conversas suscitavam rivalidades. A escolha de se fazer o show no estádio do Avaí causou ciúmes na torcida do arquirrival Figueirense. Os avaianos dizem que farão uma placa para dizer que "Paul passou aqui". Os telejornais locais avisavam sobre o gargalo que a única via de acesso ao estádio se tornaria na tarde de ontem. Uma mão para ir e outra para voltar são o único meio de se chegar tanto ao Estádio quanto ao aeroporto da cidade. Que se cuidassem quem fosse pegar voo no horário do show.

Apesar do frio, Paul ressurgiu de baterias recarregadas nos três dias que teve de retiro em um luxuoso bangalô no resort de Ponta dos Ganchos, na vizinha Governador Celso Ramos. Saiu apenas duas vezes do interior do quarto. Em uma delas, avistou um fã o observando em uma prancha (para ver sua hospedagem, só pelo mar) e retornou para a casa. O próximo destino de Paul será o México. Antes, diferentemente da banda e da equipe técnica, que devem seguir direto para a Cidade do México, ele volta para Londres, onde cuida de sua filha mais nova em regime de guarda compartilhada com a ex-mulher Heather Mills.

Set list Paul Mccartney

Hello Goodbye

Juniors Farm

All My Loving

Jet

Drive My Car

Sing The Changes

Night Before

Let Me Roll It

Paperback Writer

Long And Winding Road

1985

My Valentine

Maybe I'm Amazed

I've Just Seen A Face

And I Love Her

Blackbird

Here Today

Dance Tonight

Mrs Vanderbilt

Eleanor Rigby

Something

Band On The Run

Obla Di Obla Da

Back In The USSR

I Gotta Feeling

A Day In The Life/Give Peace A Chance

Let It Be

Live and Let Die

Hey Jude

Lady Madonna

Day Tripper

Get Back

Yesterday

Helter Skelter

Golden Slumbers

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.