Paulistano reclama de serviços de jardinagem

Em 2008, problemas relacionados a capinação e poda apareceram entre as principais queixas à Ouvidoria-Geral em 23 das 31 subprefeituras

Marici Capitelli, O Estadao de S.Paulo

20 de abril de 2009 | 00h00

Podas de árvores e capinação de mato estão entre os problemas que mais incomodam os moradores da capital. Tanto é que em 23 das 31 subprefeituras a jardinagem aparece entre as três principais queixas à Ouvidoria-Geral do Município durante todo o ano passado. Fica na frente até mesmo do comércio irregular, apontado em 21 subprefeituras, e dos buracos em vias públicas, citados em 15.Em 2008, a ouvidoria recebeu 922 reclamações sobre a falta de jardinagem - serviços de capinação, conservação de áreas, neutralização de raízes, plantio, poda, remoção e transplante de árvores. A Secretaria Municipal da Coordenação das Subprefeituras promete solucionar o problema ainda neste ano. A chefe de gabinete da ouvidoria, Maria Lumena Sampaio, explica que embora as queixas de jardinagem sejam comuns a quase toda a capital, as demandas de serviços são diferentes. "Pode ser que em Pinheiros, por exemplo, as solicitações sejam por podas de árvore, mas em Cidade Tiradentes estejam relacionadas à capinação e conservação de áreas, mas é um assunto que mexe com a cidade toda." Para o próximo ano, a ouvidoria pretende refinar a pesquisa para saber exatamente qual foi o tipo de serviço de jardinagem que não foi cumprido pela Prefeitura.Quem solicita capinação ou poda de árvore, geralmente reclama da demora do atendimento. No caso de mato alto, por exemplo, as pessoas reclamam do excesso de mosquitos, sujeira e de que o espaço está sendo utilizado por usuários de entorpecentes. Renato Giribola, diretor do Conselho das Associações de Amigos e Moradores da Região Oeste e Adjacências, entidade que engloba 34 associações, afirma que a jardinagem é o principal problema hoje da região. "O mato nas praças virou uma questão de saúde e, quando reclamamos, a Prefeitura dá um número de protocolo e manda aguardar."Desde janeiro, moradores da Vila Ipojuca, na zona oeste, tentam que a Praça Dom José Thurler seja capinada, pois o mato está alto. Foram feitos vários pedidos à Subprefeitura da Lapa, mas até agora nada foi feito. "O mato alto dá aspecto de degradação, tanto é que até entulho já começaram a jogar na praça que, se continuar desse jeito, vai desaparecer", reclama a dona de casa Alexandra Calderoni Pinto. MEDIDASAndré Graziano, coordenador de Áreas Verdes da Secretaria da Coordenação de Subprefeituras, admite que no caso específico do mato, a Prefeitura "não dá conta do serviço".Entretanto, Graziano afirma que medidas estão sendo tomadas para solucionar os problemas. Nos canteiros, por exemplo, deverá ser ampliado o plantio de espécies - como o amendoim - que dificultam o crescimento da vegetação, a exemplo do que já foi feito na região da Consolação, no centro.Com relação à poda de árvores, Graziano diz que aguarda a contratação de 64 engenheiros agrônomos, que foram aprovados em concurso em 2008, e que devem ir trabalhar nas subprefeituras. Outra proposta é fazer parcerias com fundações ambientais ou agrônomas para que elas também possam emitir laudos sobre a poda e a remoção de árvores. "Isso agilizará os serviços e os engenheiros agrônomos das subprefeituras acompanharão as execuções dos trabalhos, o que vai garantir melhor qualidade."O coordenador garante que, com essas medidas, os munícipes vão ver os resultados já neste ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.