Pavimento será removido, diz administração

?Famílias notificadas devem sair, porque ocupam irregularmente a área?, diz nota

Eduardo Reina, O Estadao de S.Paulo

15 Julho 2009 | 00h00

A Prefeitura informou que as áreas que estão sendo pavimentadas no Jardim Vera Cruz serão removidas mais adiante, sem precisar a data, pois fazem parte de áreas de circulação necessárias para obras no local. A administração esclarece que no Jardim Vera Cruz, "as obras são feitas em comum acordo com as diretrizes da Secretaria do Meio Ambiente". "As famílias notificadas para deixar a região devem sair porque ocupam irregularmente a área e lá se instalaram há poucos meses." No local, onde também existe um córrego e uma nascente, será implantado um pequeno parque com destaque para a proteção à nascente, segundo a Assessoria de Imprensa da Prefeitura. "A pavimentação prevista no projeto ao longo do córrego não foi implantada. Algumas áreas pavimentadas serão removidas, porque servem apenas para a circulação necessária para obras", explica a nota. A Secretaria de Habitação é responsável pelas ações do Programa Mananciais. São recursos da ordem de R$ 1 bilhão, para atender 80 núcleos precários, com o objetivo central de retirar os esgotos que vão para a represa, eliminar situações de risco e dotar esses núcleos de características comuns aos bairros formais da cidade, informa. Quanto à Operação Defesa das Águas, continua o texto, é de responsabilidade da Secretaria de Segurança Urbana. "As ações visam a coibir ocupações irregulares nos mananciais. Por isso, a operação garante o congelamento das áreas, impedindo que novas construções sejam erguidas e possibilitando que a Sehab, com a urbanização, impeça, por exemplo, que o esgoto dessas casas invadidas caia diretamente nos córregos, já que eles desembocam na represa e poluem as águas. A Subprefeitura, pela Operação Defesa das Águas, desfaz construções novas, antes que se transformem em casas, ou seja, antes que sejam habitadas." A Subprefeitura de M?Boi Mirim já realizou 416 desfazimentos (derrubadas de casas construídas ilegalmente), aplicou 22 multas e fez 2 apreensões de caminhões que transportavam entulho de forma irregular. Conta com um efetivo de mais de 100 guardas-civis municipais ambientais, que fazem rondas diárias na região e dois sobrevoos por mês. Sobre a obra inacabada no Parque Japão, a Prefeitura informou que não consta nos arquivo a obra de canalização de esgoto no local, que pode ser de responsabilidade da Sabesp.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.