PCC anuncia greve de fome nos presídios

Com citações do líder pacifista indiano Mahatma Ghandi, o Primeiro Comando da Capital (PCC), organização criminosa que controla os presídios em São Paulo, está anunciando, em manifesto, a realização de greves de fome na Casa de Custódia e Tratamento de Taubaté, para pressionar o governo estadual a desativar o presídio. O texto exige também um mutirão para revisão dos processos dos detentos e direito de voto, além da criação de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) federal para investigar a situação dos presos.O manifesto é o primeiro documento elaborado pelo PCC desde o estatuto da facção criminosa divulgado em 1993 e é assinado pelo chamado porta-voz dos criminosos, César Silvério, que está preso em Avaré. Segundo o advogado do PCC e pré-candidato a deputado federal, Anselmo Nunes Maia, o documento reflete uma nova linha de ação do PCC que excluiria rebeliões e atos violentos dentro dos presídios estaduais.O advogado explica que o objetivo atual é fazer o governo cumprir os direitos dos presos estabelecidos na Lei das Execuções Penais. Anselmo Nunes afirma que sugeriu ao PCC que não cometam mais violência "porque daqui para frente a metralhadora do PCC vai ser a eleição e as balas serão os votos". A opção que restou, então, segundo o advogado, é a greve de fome que se estenderá de Taubaté para Avaré, Presidente Wenceslau e Iaras.A Casa de Custódia abriga atualmente 150 dos presos mais perigosos do Estado, tem atualmente capacidade para 160 detentos, após a reforma. O presidio foi destruído por uma rebelião em 19 de dezembro do ano passado. PCC anuncia greve de fome nos presídios

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.