PCC e Seita Satânica se unem nos presídios de SP

O dia seguinte. Essa é a maior preocupação das autoridades que investigam a morte do juiz-corregedor de Presidente Prudente, Antonio José Machado Dias, assassinado no dia 14 de março, a mando do crime organizado.Polícia Civil e Ministério Público Estadual (MPE) já sabem que o Primeiro Comando da Capital (PCC) - facção que controla 80% dos presídios no Estado - fez um acordo de união com a Seita Satânica, organização formada por detentos que pregam, entre outras coisas, o culto ao demônio.A união da Seita com o PCC, cujo líder máximo, Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, é suspeito de ter ordenado a morte do juiz, pode significar, segundo investigadores, o controle de 90% dos presídios por parte de uma única facção do crime organizado.O acordo entre eles teria sido costurado por seus líderes, Marcola, e o chefe da seita, um detento conhecido como Ildefonso, o Hulk.Marcola está preso na Penitenciária de Avaré, sob o Regulamento Disciplinar Diferenciado (RDD). No mesmo presídio estão também integrantes da Seita, a mais antiga das facções ainda existentes nos presídios. Veja o especial:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.