PCC mandou matar paciente em hospital

Foi o "tribunal do júri" do Primeiro Comando da Capital (PCC) que ordenou a invasão do Hospital Cidade Tiradentes, em São Paulo, e a pena de morte para o paciente Ludmar Aparecido de Andrade, de 29 anos, em 2 de junho. O julgamento teve testemunhas de defesa e acusação, num "plenário" com 30 pessoas. A acusação: ter agredido, torturado, seviciado e atirado em um jovem de 15 anos. O adolescente era aluno de Andrade e teria tentado abusar sexualmente da enteada dele, de 11 anos. O adolescente tinha ligações com um integrante do PCC.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.