PCC tinha mais 12 no ônibus interceptado em Sorocaba

A Polícia Militar sabia há mais deuma semana que o Primeiro Comando da Capital pretendia roubar R$28 milhões de um avião pagador que sairia do aeroporto deSorocaba, a 90 quilômetros de São Paulo. O comboio da facção foiinterceptado hoje no km 12 da Rodovia Senador JoséErmirio de Moraes (SP-79), perto de Sorocaba, no interior de SãoPaulo. Na operação 12 integrantes do PCC morreram. A Polícia Militar tinha informações sobre o roubo hámais de uma semana, disse o coronel Romeu Takani,comandante do 1º Batalhão da Polícia Rodoviária e um doscomandantes da operação. "Hoje pela manhã recebemos ainformação de que eles tentariam executar o roubo e fizemos aoperação já planejada para interceptá-los", disse. Takani revelou que haviam sido escolhidos três pontos darodovia para a intercepção. O pedágio era a última opção, porcausa dos riscos envolvidos numa eventual troca de tiros, "Alihá sempre muitos carros parados e inocentes poderiam sairferidos", disse ele. Mesmo assim, o pedágio estava fortementepoliciado. Os operadores de pedágio haviam sido substituídos porpoliciais militares. "Não sabíamos como nem em quantos elesviriam, mas quando detectamos o ônibus na rodovia, suspeitamosimediatamente que eram eles", disse o coronel. Os carros que davam cobertura ao ônibus ainda não haviamsido identificados. Quando o ônibus se aproximou do pedágio, osocupantes deram sinais de que sabiam estar sendo seguidos. "Umaperua Parati, que depois descobrimos ser uma das integrantes docomboio, passou pelo pedágio e deve ter pressentido alguma coisa deu o sinal para o ônibus", disse Takani. Naquele momento o ônibus começou a manobrar na tentativade voltar na contramão pela rodovia. "Não tínhamos mais opção.Caso conseguissem fugir, uma troca de tiros no meio deautomóveis em alta velocidade poderia resultar numacarnificina", avaliou o coronel.Cercados, os integrantes do ônibus começaram a disparar. "Masestávamos muito bem posicionados e preparados. Respondemos aofogo", disse.De acordo com o coronel, a ação toda não demoroumais do que um minuto. "Assim que o fogo cessou ainda entramosno ônibus para tentar socorrê-los", contou ele.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.