PCC tortura e mata 5 jovens, por vingança

Segundo a polícia, chacina ocorreu na zona leste após morte de rapaz

Ana Carolina Moreno e Josmar Jozino, O Estadao de S.Paulo

19 de dezembro de 2007 | 00h00

O Primeiro Comando da Capital (PCC) julgou e condenou à morte cinco jovens acusados de assassinar um adolescente de 15 anos, sobrinho de um suposto integrante da facção criminosa, segundo a polícia. A chacina ocorreu no sábado, em Guaianases, zona leste de São Paulo. Os corpos foram desovados em locais diferentes, num raio de 5 quilômetros de distância, para dificultar os trabalhos de investigação da Polícia Civil.O adolescente foi morto na semana passada, a pauladas e pedradas, porque teria mexido com a namorada de um rival. Em represália, os cinco jovens, com idades entre 18 e 19 anos, foram seqüestrados e levados para um local ermo no Jardim São Carlos, perto da Estrada da Passagem Funda. Antes de condená-los à pena máxima, o "tribunal " do PCC decidiu torturá-los. Os rapazes tiveram pernas e braços quebrados.O primeiro seqüestrado foi Deivid Ferreira da Cruz, de 18 anos, que ainda foi enforcado e teve o corpo encontrado domingo, no Jardim Robru. As demais vítimas foram executadas a tiros de pistola calibre 380. Rafael Silva, de 19 anos, foi deixado numa rua de Lajeado. O corpo de Felipe de Sá dos Santos, de 19, foi encontrado domingo, em Cidade Tiradentes. Já os corpos de Gilberto Ferreira de Souza, de 18, e de um amigo ainda não identificado foram jogados em uma área em Ferraz de Vasconcelos, na Grande São Paulo.A equipe do delegado Marcos Carneiro tenta identificar o adolescente assassinado. A Divisão de Homicídios do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) apura se a ordem para matar partiu de integrantes do PCC nas ruas ou foi definida por presidiários - e também se as mortes ocorreram no mesmo local.Com esse caso, sobe para 23 o número de chacinas registradas este ano na região metropolitana.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.