Pediatra pede exame de ressonância em bebê anencéfalo

A pediatra Márcia Beani Barcellos encaminhou ao Sistema Único de Saúde (SUS), na segunda-feira, 26, o pedido de um exame de ressonância magnética de Marcela de Jesus Ferreira, que nasceu em 20 de novembro último com anencefalia (sem cérebro). Segundo a médica, a família Ferreira não tem convênio e por isso ela aguarda uma resposta do SUS. "Esse pedido é para documentar melhor esse caso de anencefalia, que é atípico, mas não irá alterar nada", comentou Márcia.No entanto, a ressonância magnética possibilitará a verificação de como está o desenvolvimento do crânio da menina. "Esse exame é mais sofisticado que a tomografia computadorizada." Na pesagem feita nesta terça-feira, Marcela engordou 100 gramas numa semana, chegando aos 3,560 quilos.Márcia lembrou que Marcela já fez uma tomografia, no primeiro dia de vida, em Franca. Foi o único dia que o bebê saiu da Santa Casa de Patrocínio Paulista, onde fica sob os cuidados médicos e da mãe, Cacilda Galante Ferreira, que não foi para casa, na zona rural, desde então.Se o SUS autorizar a ressonância magnética, Marcela terá que fazer o exame no Hospital São Joaquim, em Franca, o único que tem o equipamento na cidade. Segundo a pediatra, o estado clínico de Marcela permanece estável, respirando durante alguns períodos sem o auxílio do capacete de oxigênio.A família Ferreira procura um imóvel para alugar na cidade, mas não tem pressa. Além do mais, teria outros custos, como contratar alguém para ajudar Cacilda nos cuidados com a filha. Para ter alta hospitalar, Marcela precisaria ficar perto da Santa Casa para qualquer emergência. A casa da família fica na zona rural, a 18 quilômetros da cidade.Marcela tem apenas uma pequena parte do encéfalo (cérebro), que a mantém viva. A menina já superou todas as expectativas médicas em seu quadro clínico, já com três meses e nove dias de vida.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.