AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Pedida a prisão de mais um suspeito de matar aposentados em Diadema

A Polícia Civil de Diadema pediu nesta terça-feira a prisão temporária por 30 dias de um suspeito de ter participado dos oito ataques aos aposentados da cidade, na Grande São Paulo. Ele foi identificado por meio de uma fotografia e pode ser o homem que aparece nas imagens gravadas pelo circuito interno de TV de uma agência bancária sacando R$ 100,00 de um aposentado morto. O vídeo foi gravado às 8h20 do dia 4 de agosto, na agência do Unibanco, localizada no centro da cidade. A polícia já tem o endereço da casa desse suspeito e ele poderá ser preso assim que a Justiça da cidade decretar sua prisão e autorizar o mandado de busca e apreensão. Para as autoridades policiais, o homem identificado está envolvido na morte do aposentado Antônio Meireles, de 74 anos.Desde a semana passada, os investigadores já haviam encontrado indícios de que o suspeito não agiu sozinho nas agressões. "É possível que até três homens tenham participado das ações criminosas", disse o delegado assistente da Seccional de Diadema, Mitiaki Yamamoto, que investiga os crimes. O primeiro homem seria o responsável pela abordagem dos aposentados na saída das agências bancárias, todas na região central de Diadema.Durante a conversa com a vítima, esse homem contava uma história que atraía o aposentado até o local da morte, nas margens da Rodovia dos Imigrantes, na altura dos km 17 e 18. Lá, os outros dois comparsas aguardavam a vítima escondidos, com pedaços de madeira nas mãos. De acordo com a polícia, as informações passadas pelos quatro sobreviventes, denúncias anônimas e o depoimento de testemunhas foram suficientes para chegar à conclusão de que mais de uma pessoa participou dos ataques. Desde o dia 6 de maio até o dia 17 de setembro, quatro aposentados foram executados a pauladas e outros quatro ficaram gravemente feridos.Apenas dois são capazes de reconhecer os bandidos. Os outros dois, por causa da violência, estão confusos e com problemas de memória. Além do homem das imagens, é investigado o homem descrito por um sobrevivente em um retrato falado. A polícia investiga também outros três suspeitos. Dois estão presos: o rapaz de 23 anos, detido desde o dia 24, e outro preso em uma delegacia da capital, acusado de ter participado de um seqüestro relâmpago. A Justiça autorizou, a pedido da defesa do rapaz de 23 anos, que a polícia ouça o depoimento de três novas testemunhas que tentam inocentá-lo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.