Pedófilo belga é condenado à prisão perpétua

O pedófilo belga Marc Dutroux, de 47anos, foi condenado hoje à prisão perpétua sem direito aliberdade condicional depois de ter sido declarado pelo Tribunalda cidade belga de Arlon culpado do seqüestro de seis meninas eadolescentes e do assassinato de duas delas entre junho de 1995e agosto de 1996. Em seu veredicto, transmitido ao vivo pela televisão belga, ojuiz Stephane Goux disse confiar que sua sentença possa ofereceràs vítimas sobreviventes de Dutroux e seus familiares aconvicção de que o caso finalmente foi encerrado. "Espero que seu futuro agora seja melhor e que possamcontinuar com suas vidas", disse Goux depois de ler sua decisãode 50 páginas na qual condenou Dutroux por mais de 200 crimes. Outros dois cúmplices, Michelle Martin, de 44 anos, ex-mulherdo pedófilo, e Michel Lelievre, também foram declarados culpadosna semana passada. Michelle foi condenada a 30 anos de prisãopela morte de uma menina de oito anos e Michel recebeu pena de25 anos por cumplicidade em vários seqüestros e outrasacusações. Um quarto acusado, Michel Nihoul, recebeu pena de cinco anosde prisão pelo contrabando de drogas e a introdução ilegal depessoas no país. Nihoul havia sido indiciado como membro daquadrilha, mas o júri decidiu desconsiderar a acusação,considerada inconsistente pela justiça. Apontado como "criminoso nº 1" da Bélgica e denunciado pelaprópria mãe, Dutroux ouviu a decisão da Justiça em silêncio. Segundo a conclusão do júri, o pedófilo participou dosepisódios como "instigador" ou "chefe da quadrilha" envolvidaprincipalmente nos seqüestros das meninas Julie Lejeune, MelissaRusso, ambas de 8 anos, Sabine, 12, e Laetitia, 14, e das jovensAn Marchal, 17, e Eefje Lambrecks, 19. Dutroux foi declarado culpado do assassinato de An e Eefje,seqüestradas em 22 de agosto de 1995 perto da cidade de Ostende(norte da Bélgica). Os cadáveres delas foram encontrados emsetembro do ano seguinte no sótão de numa casa do pedófilo pertoda cidade de Charleroi (sul). Ele foi também considerado autor do seqüestro de Julie eMelissa em junho de 1995 perto da cidade de Liège (leste), masnão da morte delas. Isso apesar de seus corpos terem sidoencontrados enterrados no jardim de outra casa dele nalocalidade de Sars-la-Buissière (sul) em 17 de agosto de 1996.Raptadas respectivamente em 28 de maio e 9 de agosto de 1996,Sabine e Laetitia foram libertadas em 15 de agosto de 1996 -dois dias depois da prisão de Dutroux. Dutroux foi sentenciado à prisão perpétua sem direito aliberdade condicional devido "ao perigo que representa àsociedade", afirmou o juiz Goux. A sentença foi determinadaconjuntamente pelos 12 membros do júri e um painel de trêsjuízes. Na Bélgica, não cabe apelação a um veredicto decidido por umcorpo de jurados, a não ser durante o andamento do processo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.