Pedreira desativada vai virar berço de orquídeas

O ambiente quase estéril de uma pedreira de granito desativada vai transformar-se em berçário de orquídeas e bromélias em Votorantim, na região de Sorocaba, a 100 quilômetros de São Paulo. As mudas produzidas servirão para reconstituir a população nativa dessas espécies na Serra de São Francisco, principal formação geológica da região, onde já foram abundantes. O projeto é da empresa Votorantim Cimentos e a inauguração do orquidário acontece neste domingo, às 12 horas. Orquidófilos voluntários vão supervisionar os cuidados com as flores. Eles já trabalharam na fábrica de cimento da empresa, cujas minas situam-se na serra, e conhecem bem o habitat das espécies nativas. Foram catalogadas 70 espécies de orquídeas e 15 de bromélias, algumas de incidência apenas nessa região. Elas irão compor o acervo vivo do orquidário. O plano da empresa é abrir o espaço para visitação por grupos de escoteiros, escolas da região, orquidófilos, pesquisadores e órgãos ambientais, além de clientes e fornecedores. O projeto deve estar concluído em três anos. À medida que as plantas forem produzindo mudas, será feita a reposição nos ambientes naturais. A serra é coberta pela vegetação remanescente da floresta atlântica e matas de transição com o cerrado. Em área anexa à pedreira, antes degradada, formou-se um pomar para fornecer alimentação a pássaros e animais. O objetivo é promover o retorno da fauna. A idéia do orquidário partiu do técnico mecânico Valdemir Antônio Silva, funcionário da empresa e conhecedor de orquídeas. A diretoria aprovou a proposta. Na construção, foi utilizada a mão de obra de recuperandos em regime semi-aberto da Penitenciária Estadual Danilo Pinheiro, de Sorocaba. Escoteiros da região e alunos da Associação de Pais e Amigos de Excepcionais (Apae) ajudaram a plantar as mudas do pomar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.