Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Pedreiro é preso com cocaína misturada com refrigerante

O pedreiro Marcelo Thomaz Oliveira, de 25 anos, foi preso no fim da tarde de sexta-feira quando tentava embarcar para a Itália com duas garrafas de refrigerante misturado com cocaína. A prisão foi realizada por policiais federais no aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, na Grande São Paulo. Eles desconfiaram do peso excessivo das garrafas e do forte cheiro de cocaína que exalava delas.Oliveira foi detido no check-in da empresa Ibéria e pretendia embarcar em um vôo com escala em Madri e destino final na Bolonha. O pedreiro carregava a droga em uma sacola que iria ser despachada. Ele está detido na sede da Polícia Federal em São Paulo e aguarda a transferência para algum Centro de Detenção Provisória da cidade.Segundo policiais, a PF realiza em média três apreensões dessa droga por semana no aeroporto. A cocaína dissolvida em líquidos tem sido apreendida com freqüência por policiais em São Paulo. A tática serve para despistar cães farejadores e os equipamentos de raio X dos guichês de embarque.O ex-combatente do Vietnã Ruben Hernandez foi preso em Cumbica, no último dia 23, com 7,8 quilos do entorpecente diluído em três garrafas de vinho. No último dia 31, policiais encontraram pela primeira vez a droga pura em estado líquido quando prenderam, também no aeroporto, o pedreiro espanhol Carlos Arturo Ibañez, de 22 anos. Ele estava com 9,5 quilos da droga numa garrafa de 2 litros de guaraná e em dois galões de vinho branco.Na forma líquida, a cocaína não pode ser consumida. Antes da venda, os traficantes transformam o líquido em pó.

Agencia Estado,

08 de fevereiro de 2003 | 18h50

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.