Pedro Novais devolve dinheiro de motel

Futuro ministro tentou ontem sem sucesso falar com Dilma sobre caso de uso ilegal de verba indenizatória revelado pelo 'Estado'

LEANDRO COLON, EDNA SIMÃO e DENISE MADUEÑO, O Estado de S.Paulo

23 Dezembro 2010 | 00h00

Acuado, o deputado Pedro Novais (PMDB-MA), escolhido para comandar o Ministério do Turismo no governo Dilma Rousseff, anunciou ontem ter devolvido aos cofres da Câmara o dinheiro público usado por ele para pagar despesa em um motel de São Luís (MA).

Ontem, reportagem do Estado revelou que o deputado pediu à Câmara, mediante nota fiscal, o ressarcimento de despesa de R$ 2.156 no Motel Caribe referente ao mês de junho. Em entrevista ao Estado, uma gerente do Caribe afirmou que Pedro Novais reservou uma suíte em junho para uma festa com amigos.

Indicado pela cúpula do PMDB para ser ministro do Turismo, Pedro Novais, 80 anos, tentou ontem, sem sucesso, falar com a presidente eleita. Conseguiu conversar com Antonio Palocci, braço direito de Dilma e futuro ministro da Casa Civil. Palocci pediu a Novais uma explicação formal sobre o episódio para ser entregue à presidente eleita. Dentro do governo de transição, o clima é de preocupação em relação ao futuro ministro do Turismo, um desconhecido no primeiro escalão da política de Brasília.

Em nota divulgada ontem, ele reafirmou que foi um "erro" de sua assessoria incluir "indevidamente" a nota fiscal do motel. E negou que tenha participado de alguma festa no local. A pedido do deputado, a direção administrativa da Câmara retirou de seu site a nota fiscal que estava inserida na prestação de contas da verba indenizatória do parlamentar.

O deputado Chico Alencar (PSOL-RJ) defendeu a retirada da indicação dele para assumir o Ministério do Turismo. Para Alencar, a revelação de que o deputado pagou motel com verba indenizatória da Câmara é "chocante". "O Brasil é que perde e é achincalhado. A minha expectativa é de que o governo não pode manter essa indicação. Ainda há tempo", afirmou.

O petista Gilmar Machado (MG) também criticou a atitude do colega de Câmara. "Acho que temos de endurecer cada vez mais. Essa não é a primeira vez que nós temos problema com verba indenizatória. A Casa tem de agir com rigor, porque a verba indenizatória é para a atividade parlamentar. Eu, particularmente, entendo que as pessoas têm de responder a processo e a Câmara agir rigorosamente."

O presidente da Câmara e candidato à reeleição, Marco Maia (PT-RS), fugiu do tema. Questionado, preferiu falar de sua candidatura. "Nós agora estamos preocupados e focados com o tema que diz respeito à construção de um processo que seja mais aberto e mais transparente e que garanta a representação de todos os partidos", disse.

O líder do PMDB, Henrique Eduardo Alves (RN), responsável - ao lado do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP) - pela indicação de Novais para o Turismo disse que o deputado "está esclarecendo o fato de maneira competente". Sarney afirmou ontem, por meio de sua assessoria, que não teve participação na escolha do novo ministro do Turismo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.