Pegue, leia e deixe o livro em um local público

Dois projetos colocam a literatura ao alcance do povo de São Paulo

Lais Cattassini, O Estadao de S.Paulo

28 Outubro 2008 | 00h00

"Vagueou errante por inúmeras regiões, visitou cidades e conheceu o espírito de tantos homens." As poucas linhas que introduzem A Odisséia, de Homero, descrevem também o que acontecerá a milhares de livros a partir dessa semana em São Paulo. Duas iniciativas diferentes prometem incentivar a leitura e um hábito estranho: o de esquecer um livro. A Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) iniciou ontem a campanha Livro Livre, que disponibilizará cerca de 5 mil títulos e 15 mil exemplares para doação em 27 estações de trem da Grande São Paulo. Obras como Triste Fim de Policarpo Quaresma, O Cortiço e O Guarani podem ser retiradas nas estações participantes até sexta-feira. A única exigência é que, terminada a leitura, o exemplar seja abandonado em algum lugar público. "Deve ser mentira que o brasileiro não lê. As pessoas apenas não têm acesso ao livro, o que pretendemos melhorar com essa iniciativa", explica a idealizadora do projeto, Maria Cândida de Assis. O professor de história Adir de Almeida Mota é um exemplo de paixão pela leitura. Ao ler Crime e Castigo, de Fiódor Dostoievski, ele se encantou pela literatura russa e ficou surpreso ao encontrar outro livro do autor entre as obras da CPTM, Os Irmãos Karamazov. "Eventos como esse ajudam muito a promover o interesse." Desde que leu O Pequeno Príncipe, a cabeleireira Gisleine Garcia passou a adorar ler. Com seu exemplar de O Cortiço em mãos, ela prometeu entregá-lo a outra pessoa quando terminar. "Vou trocar de livros com as amigas", conta. A proposta da CPTM atrai também autores de outros Estados para lançar seus livros durante a semana do Livro Livre. O escritor baiano Sérgio Castro Barreto não demorou para distribuir os exemplares autografados de seu mais novo livro, Versos de um Coração. "Esse movimento faz a cultura chegar à mão do povo. É genial." "Para um autor não tem nada mais emocionante do que ouvir alguém dizer que já leu seu livro. Quanto mais pessoas tiverem acesso ao que escrevi, melhor", complementa o autor Rubens Neco da Silva, que participa pela terceira vez do projeto, iniciado em 2006. OUTRO PROJETO Quarta-feira é iniciado o projeto Livro para Voar. Com o apoio da Ale Combustíveis, mais de 6,7 mil exemplares de 20 títulos serão entregues em postos participantes de todo o Brasil. A proposta é a mesma, mas as obras são mais modernas. Entre os títulos disponíveis estão Sex and The City e O Pianista. Diferentemente dos livros livres da CPTM, as edições que voam da Ale devem ser cadastradas em um site americano, www.bookcrossing.com. Os leitores devem comentar o que leram e indicar o último lugar em que o livro foi visto, o que possibilita que obras sejam encontradas mais facilmente. OPÇÕES Os livros O Ateneu (Raul Pompéia) O Cortiço (Aluísio de Azevedo) O Guarani (José de Alencar) Triste Fim de Policarpo Quaresma (Lima Barreto) Contos (Machado de Assis) Quincas Borba (de Machado de Assis) Memórias de um Sargento de Milícias (de Manuel Antonio de Almeida) Um Ladrão de Guarda-Chuvas (Jurandir Ferreira) Amar, Verbo intransitivo (Mário de Andrade) Idílio (Mário de Andrade) Os Irmãos Karamazov (Fiódor Dostoievski) Estações Hoje - Linha 12-Safira: Brás, Tatuapé, São Miguel, Itaim Paulista, USP Leste, Jardim Romano e Jardim Helena Amanhã - Linha 9-Esmeralda: Cidade Universitária, Hebraica-Rebouças, Santo Amaro, Jurubatuba, Autódromo e Grajaú Dia 30/10 - Estações da Linha 8-Diamante: Barra Funda, Osasco, Lapa, Carapicuíba e Itapevi. 31/10 - Linha 11-Coral: Guaianazes, Itaquera e Mogi

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.