Pelo menos 100 famílias ainda aguardam indenização da Gol

Empresa encomenda laudo para analisar impacto de destroços; no sábado, cerimônia homenageia as vítimas

Téo Takar, da Agência Estado,

28 Setembro 2007 | 13h22

Um ano após o acidente com o vôo 1907, ocorrido em 29 de setembro de 2006 e que causou a morte de 154 pessoas, a Gol anunciou nesta sexta-feira, 28, que já fechou acordos de indenização com as famílias de 32 vítimas, beneficiando 82 pessoas. A assessoria de comunicação da Gol não sabia informar, na tarde desta sexta-feira, 28, quantas famílias ainda estão à espera da indenização.    Gol pode enterrar restos do Boeing na floresta Missa em fazenda vai homenagear vítimas do acidente da Gol  Especial sobre a crise aérea   Segundo a empresa, seus advogados propuseram acordos que garantem aos beneficiários renda igual à que era auferida antes da tragédia. Os valores pagos não serão divulgados para preservar a privacidade e a segurança dos familiares.   "Desde o momento do acidente, as famílias das vítimas foram a prioridade da Gol. Logo nas primeiras horas do desaparecimento da aeronave, a companhia pôs em prática o seu plano de emergência e enviou às cidades de origem dos passageiros e tripulantes do avião e aos aeroportos 70 assistentes sociais. Imediatamente também providenciou transporte para Brasília e hospedagem e alimentação na capital federal para todos os parentes que decidiram aguardar ali o desenrolar dos trabalhos de busca e, posteriormente, de resgate", diz a empresa em nota à imprensa.   A Gol diz ainda que ofereceu plano de saúde às famílias e reembolsou as despesas médicas ocorridas logo após o acidente; ao todo, 210 pessoas passaram a contar com assistência médica e psicológica. O plano é válido por 12 meses e registrou pouca utilização no período.   Do total desembolsado à seguradora de saúde em pagamento dos prêmios mensais, apenas 10% foram efetivamente usados, ou seja, revertidos em consultas, exames e outros procedimentos médicos. A assistência psicológica será mantida por mais um ano.   Impacto   A empresa aérea também encomendou um laudo para avaliar os impactos para o meio ambiente dos destroços da aeronave, que permanecem no local da queda, na floresta amazônica. Segundo o laudo, não há possibilidade de contaminação do ar e do solo pelo combustível do avião. Como diversas peças continuam na superfície, espalhadas por centenas de metros ao redor da clareira principal, a companhia avalia a viabilidade de enterrá-las.   No sábado, 29, a Gol vai fazer uma cerimônia em memória de um ano da morte dos 154 passageiros do vôo 1907. O presidente da Gol, Constantino de Oliveira Junior, enviou carta às famílias das vítimas, convidando-as para unir-se em oração a ele e aos funcionários da companhia na cerimônia, que será realizada às 15h30, no Jardim Botânico de Brasília. A empresa oferecerá transporte aos familiares que quiserem participar da celebração.   Íntegra da carta de Constantino Junior enviada às famílias:   São Paulo, 24 de setembro de 2007.   Em nome da Gol, convido todos os familiares das vítimas do vôo 1907 para a cerimônia que realizaremos no Jardim Botânico de Brasília, no dia 29, às 15h30, a fim de mais uma vez nos unirmos em oração por todas as pessoas queridas que perdemos no acidente.   Eu, minha família e todos os colaboradores da Gol acreditamos que celebrar o 29 de setembro de 2006 não é trazer de volta a dor da tragédia, mas cultivar a lembrança dos que nos deixaram e que continuamos a honrar cotidianamente. É também uma oportunidade de criarmos em pensamento um elo com os milhões de brasileiros que, um ano atrás, se comoveram com o que aconteceu e manifestaram-nos tão calorosamente a sua solidariedade.   Permanecemos fraternalmente ligados aos que foram colhidos pelo infortúnio e empenhados, como nos primeiros dias, em minorar a dor de parentes e amigos. A Gol entende que indenizar de maneira correta e justa as famílias é uma forma de fazer isso.   Os advogados da companhia propuseram acordos que garantem a viúvas e viúvos, filhos e filhas, pais e mães, pelos anos à frente, renda em padrão igual ou superior à que obtinham antes da queda do avião. Todos os 82 beneficiados pelos ajustes amigáveis firmados com a companhia até agora podem atestar esse comprometimento. As conciliações anteciparam em muitos anos aquilo que a Justiça garantiria aos herdeiros.   A Gol também considera os seis tripulantes do vôo 1907 seus heróis - sentimento partilhado por seus mais de 11 mil colaboradores - e está indenizando suas famílias da mesma forma como as dos passageiros, embora essa não seja uma obrigação legal da empresa.   A dolorosa lição aprendida com a tragédia está presente em todas as decisões e ações da companhia, que reassume hoje seu compromisso de manter viva a memória dos que se foram e de zelar pelas obrigações assumidas para com seus familiares.   Os parentes que quiserem participar da cerimônia contarão com os meios necessários para deslocar-se até a capital federal. O telefone 0800 280 0749 está à disposição para todos os acertos necessários. O Jardim Botânico fica na SMDB, conjunto 12, Lago Sul. Um abraço fraterno,   Constantino de Oliveira Junior

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.