Pelo menos 18 são detidos em BH após protestos violentos

Fotógrafo da Reuters foi internado com ferimentos na cabeça, mas teve alta na manhã desta sexta; novo ato está marcado para sábado

Marcelo Portela, O Estado de S. Paulo

13 de junho de 2014 | 19h25

BELO HORIZONTE - Pelo menos 18 pessoas foram presas e dois menores apreendidos acusados de participarem de atos de vandalismo na manifestação contra a Copa do Mundo ocorrida em Belo Horizonte durante a tarde e início da noite desta quinta-feira, 12. Segundo balanço da Polícia Civil divulgado nesta sexta, 13, entre os presos estão três acusados de terem virado uma viatura da instituição que estava parada em frente ao Departamento de Trânsito de Minas Gerais (Detran-MG).

De acordo com a polícia, o engenheiro Leandro Rios de Faria, de 28 anos, a enfermeira Kátia Santos Dias e o médico Bruno de Almeida, ambos de 27, foram presos na região central da capital após o ato e liberados depois de prestarem depoimentos na Delegacia Regional Noroeste, onde foi montado esquema para receber as ocorrências registradas durante as manifestações que devem ocorrer na cidade.

Além do trio, mais 15 adultos foram presos pela Polícia Militar (PM), sendo que três foram autuados em flagrante e os demais liberados depois de serem ouvidos porque são acusados de "crimes de menor potencial ofensivo". Os menores foram encaminhados ao Juizado da Infância e da Juventude.

A manifestação na quinta-feira teve início pacífico no centro de Belo Horizonte, mas um grupo iniciou um confronto com militares na Praça da Liberdade, na região centro-sul da capital. Durante o tumulto, vândalos depredaram o prédio da Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa e um cinema, além de bancos e outros estabelecimentos comerciais. Neste sábado, 14, está prevista nova manifestação na cidade.

Ferido. A Secretaria de Estado de Saúde (SES) divulgou nota informando que o fotógrafo Sérgio Morais, de 52 anos, que cobria a manifestação para a Agência Reuters, recebeu alta no fim da manhã desta sexta. Ele foi atingido na cabeça durante o confronto e teve diagnosticado um corte e um traumatismo craniano leve. Ele deu entrada no Hospital de Pronto-Socorro João XXIII (HPS) na tarde de quinta-feira e, depois de receber atendimento, permaneceu em observação no ambulatório de neurologia até a manhã desta sexta, quando foi submetido a nova tomografia antes de ser liberado pouco antes das 12h, acompanhado de um colega da agência de notícias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.