Pelo menos 41 ônibus são incendiados no Estado

Segundo balanço oficial divulgado pela Secretaria de Segurança Pública de São Paulo, 41 ônibus foram atacados em todo o Estado na nova onda de ataques atribuídos à facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC). Os ataques foram espalhados pela capital, Grande São Paulo e cidades do interior, como Campinas e São Carlos.A capital foi a cidade mais atingida pelas ações criminosas. Até as 20h30, a São Paulo Transporte (SPTrans) havia registrado 22 ataques em todas as regiões - 20 veículos foram incendiados (um parcialmente) e outros 2, alvejados. Apesar da ofensiva, a assessoria do órgão afirmou que os 23 terminais da cidade operaram normalmente. Segundo o SPUrbanuss - sindicato das empresas de ônibus de São Paulo -, nenhuma empresa deixou veículos nas garagens em razão dos ataques. O prejuízo estimado pela entidade até agora já passa de R$ 1 milhão.Dois ônibus da empresa Santa Brígida e um da empresa Fênix foram incendiados na zona oeste na manhã desta quarta-feira, em São Paulo. Os ataques ocorreram praticamente ao mesmo tempo, por volta das 5 horas.Dois deles aconteceram na Rua Professor José Lourenço, um no ponto inicial da linha 489-A, que faz o trajeto Vila Zatti-Terminal Barra Funda, e outro da linha 847-P/41, que circula da Vila Zatti até o Itaim Bibi. Segundo a SPTrans, testemunhas afirmam que dois veículos, uma Kombi e um Gol, pararam ao lado dos coletivos. Os passageiros dos veículos saíram e ordenaram aos passageiros dos coletivos que saíssem e atearam fogo.Na Avenida Raimundo Pereira de Magalhães, altura do número 5.892, seis pessoas bloquearam a passagem do ônibus da Fênix que fazia a linha Jardim Rincão-Terminal Pirituba, mandaram os passageiros saírem e atearam fogo no veículo. Ninguém ficou ferido nos ataques. O ponto de ônibus do local derreteu com o incêndio.Outros dois ônibus foram incendiados na capital na tarde desta quarta-feira, 12. Os coletivos foram atacados por volta das 14h30, no bairro Jardim Martinho, na zona leste da capital. Um deles estava na avenida José Martins Lisboa, 20, e o outro na Rua Goiabeira Serrana, 7. Ninguém ficou ferido.Um grupo de criminosos rendeu um caminhoneiro e ateou fogo em seu veículo na Marginal do Tietê, próximo ao Clube Corinthians, no final da tarde de quarta-feira, 12.A partir das 20 horas desta quarta-feira, 12, cerca de 10 ônibus foram incendiados, a maioria na zona leste da capital, nos bairros de Jardim Coimbra, Sapopemba, Cidade A.E. Carvalho.Grande São PauloEm Suzano, um ônibus da prefeitura foi queimado no pátio do órgão público. Em Ferraz de Vasconcelos, outro ônibus também foi incendiado. Em Mauá, na região do Grande ABC, outro ônibus foi incendiado. De acordo com o Centro de Operações da Polícia Militar (Copom), o ataque aconteceu no bairro de Vila Assis Brasil. Outros dois atentados ocorreram em Santo André e em Mauá.De acordo com o Corpo de Bombeiros, por volta das 15h30, criminosos retiraram os passageiros de um ônibus em Diadema, que estava passando pela Avenida Brasília, no bairro Campanário, e atearam fogo no veículo, sem deixar feridos. Em Guarulhos, um ônibus foi atacado na manhã desta quarta, na Rua Ipacaetá, no Jardim Presidente Dutra. Segundo o Corpo de Bombeiros, por volta das 10 horas, os suspeitos atiraram um coquetel molotov contra o coletivo, causando um princípio de incêndio. O cobrador e o motorista do ônibus conseguiram extinguir o fogo. Ninguém ficou ferido. Mais seis ônibus foram atacados no início da tarde na cidade. Por volta, das 13h15, criminosos se aproximaram de três coletivos, ordenaram a saída dos passageiros dos três ônibus, na Rua Três, no Jardim Joemi e atearam fogo. Ninguém ficou ferido. Mais três ônibus foram incendiados na tarde desta quarta-feira, 12, na Grande São Paulo. Outros três veículos foram incendiados no ponto final do bairro dos Pimentas, de acordo com o Corpo de Bombeiros. Os coletivos estavam sem passageiros e as chamas foram controladas por quatro equipes dos bombeiros. De acordo com a Polícia Militar, mais quatro ônibus foram incendiados no município nesta quarta-feira. As ocorrências foram registradas no Jardim Presidente Dutra, onde um dos veículos foi destruído e na Estrada do Capão Redondo, na Vila Any, onde os outros três veículos foram atacados. Ninguém se feriu.InteriorEm Campinas, um ônibus foi incendiado perto das 7 horas da manhã desta quarta-feira, no bairro dos Amarais. Ninguém ficou ferido. O veículo da linha 269 levava 25 passageiros. Segundo depoimento de testemunhas, quatro rapazes interceptaram o coletivo e exigiram a saída dos ocupantes. Um indivíduo estaria armado com um revolver. Depois jogaram gasolina, atearam fogo e fugiram em um automóvel não identificado. Conforme o motorista, um dos incendiários ainda falou "o problema não é com vocês".O diretor de comunicação da Associação das Empresas do Transporte Urbano de Campinas, Paulo Bardal, informou que imagens foram gravadas pela câmera de vídeo instalada no ônibus. Uma cópia da fita será entregue a policia civil para contribuir com as investigações. Esse é o 14º ataque a ônibus em Campinas esse ano. Em maio, com o avanço da onda de ataques a instituições policiais, foram contabilizados 13 coletivos incendiados em pontos diferentes da cidade. Três ônibus foram incendiados nos municípios de Americana, Santa Bárbara d´Oeste e Sumaré, na região de Campinas, no começo da tarde. Os coletivos ficaram totalmente carbonizados. Quatro homens foram presos pela Guarda Municipal acusados de atearem fogo no veículo da empresa Princesa Tecelã de Americana que estava estacionado sem passageiro no ponto final próximo ao Conjunto Habitacional Mário Covas. Eles invadiram o coletivo, exigiram que o motorista e a cobradora descessem. Um rapaz teve parte de uma das pernas queimada e foi atendido no pronto socorro.Em depoimento a Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Americana, o ex-presidiário Antonio Garcia Duram Júnior disse que recebeu ´ordens´ na ultima segunda-feira para que praticasse o atentado na cidade. Segundo os policiais, o acusado falou que recebeu ameaças caso não cumprisse o pedido que veio de dentro de um presídio da região. Dois ônibus e dois carros foram incendiados pela manhã, em São Carlos, região norte do Estado, em três ataques atribuídos ao Primeiro Comando da Capital (PCC). Ninguém foi preso até o momento. As polícias Civil e Militar estão mobilizadas na expectativa de novas ações. Um ônibus da Viação Atenas Paulista, que faz o transporte coletivo da cidade, foi atacado quando estava próximo do ponto final. Duas pessoas que pareciam menores entraram no coletivo, mandaram o motorista e o cobrador descerem e lançaram um coquetel molotov. Outro coletivo, da Viação Parati, estava estacionado na frente da casa do motorista. Ao sair, ele encontrou o ônibus em chamas. As duas ações ocorreram no bairro Monte Carlo. Os automóveis foram queimados num estacionamento próximo do centro. Segundo testemunhas, o garupa de uma moto atirou uma garrafa em chamas. A cidade de 330 mil habitantes não tem penitenciária, e a única cadeia foi destruída numa rebelião, há cerca de um mês. A polícia acredita que os ataques foram ordenados por integrantes da facção criminosa que dominam o presídio de Araraquara.Cinco ônibus foram incendiados no final da tarde e início da noite desta quarta-feira, na região do Vale do Paraíba. Em Jacareí, três coletivos municipais foram alvos de atentados de vândalos, às 18 horas, no Parque Santo Antonio, na periferia da cidade. Os veículos ficaram totalmente destruídos e as chamas foram controladas pelos bombeiros, mas não houve feridos. Em Caçapava, outros dois ônibus também foram atacados. Um doscarros pegou fogo e no outro o incêndio foi controlado. Dois menoresacabaram detidos, suspeitos de serem os autores do incêndio em Caçapava. Em Bauru, a 335 quilômetros de São Paulo, quatro ônibus urbanos foram incendiados hoje. Três deles foram atacados à tarde quando chegavam aos seus pontos finais. Às 14h30, no Parque Roosevelt, localizada na região onde ficam as penitenciárias da cidade, dois homens obrigaram o motorista e o cobrador a descerem, jogaram gasolina e atearam fogo no veículo, que fazia a linha Parque Jaraguá - Jardim Beija-Flor. Duas horas depois a cena se repetiu próximo à favela Ferradura-Mirim, no outro extremo da cidade. Por volta das 19h30, um terceiro veículo foi queimado, nas mesmas condições, no Jardim das Perdizes. No primeiro ataque, vizinhos do local foram obrigados a abandonar suas casas pelos fundos, já que o estouro dos pneus do veículo colocava os imóveis em risco de incêndio. A polícia apreendeu, nas proximidades, um menor que levava duas garrafas com restos de gasolina e uma peruca. Ele já teria confessado participação e revelado o nome do seu comparsa, segundo as primeiras informações. Um quarto ônibus também foi incendiado no começo da noite, no Parque Santa Cândida. Além dos quatro ônibus incendiados, a polícia registrou uma tentativa de atear fogo a um quinto ônibus no Bairro Gasparini. Dois menores já conhecidos pela polícia são procurados. O quarto ônibus incendiado deixou sem eletricidade, por alguns minutos, o transmissor da Rádio Auri-Verde. Por volta de 21 horas houve tentativa de atear fogo num posto de gasolina, na Rua Joaquim da Silva Martha, bairro Altos da Cidade, zona sul. Também falta eletricidade no Parque das Camélias, um condomínio de apartamentos da zona sul. Depois do ataque aos dois veículos, a Empresa Municipal de Desenvolvimento e Rural (Emdurb), que gerencia o sistema de transportes da cidade, determinou o recolhimento de todos os ônibus urbanos às 20 horas, deixando sem condução os passageiros que, em dias normais, são transportados até a meia-noite. Ainda não há definição sobre a volta da circulação dos ônibus às 5 horas, horário em que começa a jornada das três empresas que servem a cidade. O delegado Donizeti José Pinezzi, titular da Seccional, disse no começo da noite que todas as unidades policiais da cidade e região estão em alerta e com suas frentes bloqueadas ao trânsito para a segurança de seus funcionários. Ainda não haviam informações sobre a participação do PCC na queima dos ônibus mas, segundo o delgado, todas as hipóteses serão investigadas. Na região também aconteceram ataques. Pela madrugada, uma bomba foi atirada contra o prédio da prefeitura e um caixa eletrônico do Banespa foi incendiado em Botucatu.Por: Ricardo Valota, Carina Flosi, Rose Mary de Souza, Solange Spigliatti, Paulo R. Zulino, Fabiana Marchezi, Simone Menocchi, José Maria Tomazela, Brás Henrique e Francisco de AssisAtualizado às 23h03

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.