Pelo Senado, Heloísa Helena contra todos

Boicotada pelo maior cabo eleitoral do País, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a vereadora Heloísa Helena (PSOL), que começou a campanha como líder absoluta, entrou em queda livre nas pesquisas e corre o risco de não se eleger senadora por Alagoas.

Vannildo Mendes ENVIADO ESPECIAL / MACEIÓ, O Estado de S.Paulo

29 Setembro 2010 | 00h00

Ela já foi ultrapassada pelo cacique Renan Calheiros (PMDB) e estaria prestes a perder a segunda vaga para o deputado Benedito de Lira (PP), que ganhou musculatura na reta final com o apoio de Lula, que quer ver a alagoana longe do Senado em um eventual governo Dilma Rousseff.

Com a língua afiada de sempre, Heloísa, porém, não entrega os pontos. "Vou dizer uma coisa bem objetiva, anote: estou trabalhando muito, enfrentando um conluio de direita e de esquerda e vou ganhar a eleição", garantiu.

A candidata sofre de asma, alimenta-se mal e cultiva hábitos franciscanos, mas continua com energia e a capacidade de enervar os adversários. Ela conseguiu a proeza de juntar contra si todas as forças políticas de Alagoas, o que inclui o PT, PMDB de Renan, o PDT do ex-governador Ronaldo Lessa, o PTB do ex-presidente Fernando Collor e o PSDB do governador Teotônio Vilela Filho.

Todo dia, Heloísa acorda às 4h30, faz campanha em feiras livres, nas ruas, sinais de trânsito. Também não perde oportunidade de pedir voto no corpo a corpo, enquanto os adversários exibem programas eleitorais sofisticados e visitam vários municípios por dia de helicóptero. Ontem, ela deu palestra para alunos e servidores de uma universidade estadual de saúde em Maceió. "É preciso carimbar o dinheiro da saúde e da educação, senão suas excelências delinquentes desviam tudo", alfinetou.

"Dias atrás ela chegou a Penedo no seu único veículo de campanha, um Pálio surrado, com uma nota de R$ 5 e uma moeda de R$ 1 no bolso", afirmou a assessora Eliane Aquino, que presta serviço voluntário. Heloísa tomou empréstimo bancário para contratar o advogado da campanha.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.