Penitenciária de Catanduvas recebe 20 integrantes do PCC

Na tentativa de restabelecer a normalidade nas penitenciárias de Mato Grosso do Sul, 20 presos que têm ligações com o Primeiro Comando da Capital (PCC) foram transferidos nesta quinta-feira, 24, em caráter emergencial, para a Penitenciária Federal de Catanduvas, a 470 quilômetros de Curitiba, no oeste do Paraná. De acordo com o Departamento Penitenciário Nacional (Depen), a transferência foi feita a pedido da Secretaria da Justiça e Segurança Pública do Estado, "com base no decreto estadual 51, que estabeleceu situação de emergência, em decorrência de colapso no sistema penitenciário". Os presos foram conduzidos até Cascavel em um avião da Força Aérea Brasileira, escoltados pelo Comando de Operações Táticas da Polícia Federal e por agentes federais de Mato Grosso do Sul. Ao chegar a Cascavel, os presos foram transferidos para um ônibus e escoltados até Catanduvas, distante aproximadamente 50 quilômetros. Com essa nova remessa, já são 37 os presos que ocupam a penitenciária inaugurada no dia 23 de junho. Ela tem 208 celas individuais e mantém um sistema de segurança máxima, com equipamentos modernos. Entre os presos transferidos para o Paraná, 15 estavam no Presídio de Segurança Máxima de Campo Grande e outros cinco vieram do Presídio de Naviraí. Os nomes dos transferidos, que foram selecionados com a ajuda da polícia, Ministério Público, Poder Judiciário e Serviço de Informações, não foram divulgados. Segundo a assessoria de Comunicação da Secretaria de Justiça e Segurança Pública de Mato Grosso do Sul, o monitoramento maior sobre esse grupo começou após as primeiras rebeliões em massa realizadas em São Paulo e que se estenderam para outros Estados, inclusive os cinco presídios de Mato Grosso do Sul e seus quase 9 mil detentos. Tendo a fronteira com o Paraguai de um lado e a divisa com São Paulo de outro, a preocupação das autoridades da segurança sul-mato-grossenses passou a ser encontrar uma forma de desmantelar a célula da facção criminosa. A situação ficou tão grave, que o diretor do presídio de Campo Grande, Luís Carlos Ranieri, precisou deixar a cidade, em função de ameaças contra sua vida. As informações eram de que a trama estaria sendo planejada em São Paulo. Esta semana foram presas 11 pessoas, entre elas uma advogada e um cabo da Polícia Militar, que supostamente estariam fornecendo celulares para presidiários. O isolamento na unidade de segurança máxima de Catanduvas foi a alternativa encontrada para desmobilizar a célula da facção.Ampliada às 18h08

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.