Penitenciária de Ribeirão Preto remove presos

A direção da Penitenciária de Ribeirão Preto confirmou a transferência de 13 presos que teriam liderado a rebelião realizada da noite de quarta-feira até a manhã do dia seguinte. Segundo o diretor da unidade, Silvio Faria Machado Júnior, os detentos foram encaminhados para três outras penitenciárias do Estado de São Paulo, mas não revelou quais delas por motivo de segurança. A transferência começou às 10 horas de ontem e durou até o final da tarde, com a escolta da PM. Entre os presos removidos está Ilson de Oliveira, o Gulu, um dos líderes do Primeiro Comando da Capital (PCC). Machado Júnior disse que os presos transferidos são possíveis líderes da rebelião, que será investigada em sindicância interna. Ainda não foram descobertos os autores dos dois crimes ocorridos durante o motim, que terminou com a morte de dois integrantes de duas facções rivais ao PCC. Os mortos foram esquartejados e um deles teve o coração arrancado, assado e servido em churrasco. A penitenciária de Ribeirão Preto não terá visitas neste final de semana e no próximo. As visitas foram suspensas por 15 dias para a reconstrução do prédio, que foi muito danificado. "Vamos tentar deixar a penitenciária pronta para a visita da Páscoa, com a máxima segurança possível, porém não totalmente recuperada", disse o diretor da unidade. A penitenciária tem atualmente 799 presos - a sua capacidade é para 792 pessoas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.