PepsiCo afirma que pacote de salgadinho foi comercializado sem contaminação

Empresa nega que tenha havido contaminação no processo de empacotamento ou armazenamento

Marcela Bourroul Gonsalves, estadão.com.br

13 de outubro de 2011 | 16h08

SÃO PAULO - Após uma consumidora reclamar por ter encontrado um roedor dentro de um pacote de salgadinhos da Elma Chips, a empresa PepsiCo esclareceu, por meio de nota divulgada nesta quinta-feira, 13, que não é possível que tenha havido contaminação do produto no processo de empacotamento na fábrica ou armazenamento na filial de vendas da empresa.

As análises foram realizadas com a documentação do sistema de Detecção de Materiais Estranhos (Raio - X) da fábrica em Itu, que examina todos os produtos que saem da indústria para o mercado.

A PepsiCo tomou conhecimento da reclamação na última terça-feira, 11, após Ângela Maria Vielle, de Joinville, Santa Catarina, entrar em contato com a empresa por meio do Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC).

De acordo com as informações divulgadas pela Pepsico, após a denúncia a equipe de atendimento dirigiu-se à residência da consumidora a fim de obter mais informações para análise. Ela se negou a entregar a embalagem, mas o produto foi rastreado com base na numeração do lote e data. A empresa afirmou ainda que os serviços de limpeza e controle de pragas são realizados de forma criteriosa e periódica em todas as fábricas e filiais de vendas no Brasil.

Mais conteúdo sobre:
ratosalgadinhocontaminaçãoSC

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.