PepsiCo afirma que pacote de salgadinho foi comercializado sem contaminação

Empresa nega que tenha havido contaminação no processo de empacotamento ou armazenamento

Marcela Bourroul Gonsalves, estadão.com.br

13 Outubro 2011 | 16h08

SÃO PAULO - Após uma consumidora reclamar por ter encontrado um roedor dentro de um pacote de salgadinhos da Elma Chips, a empresa PepsiCo esclareceu, por meio de nota divulgada nesta quinta-feira, 13, que não é possível que tenha havido contaminação do produto no processo de empacotamento na fábrica ou armazenamento na filial de vendas da empresa.

As análises foram realizadas com a documentação do sistema de Detecção de Materiais Estranhos (Raio - X) da fábrica em Itu, que examina todos os produtos que saem da indústria para o mercado.

A PepsiCo tomou conhecimento da reclamação na última terça-feira, 11, após Ângela Maria Vielle, de Joinville, Santa Catarina, entrar em contato com a empresa por meio do Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC).

De acordo com as informações divulgadas pela Pepsico, após a denúncia a equipe de atendimento dirigiu-se à residência da consumidora a fim de obter mais informações para análise. Ela se negou a entregar a embalagem, mas o produto foi rastreado com base na numeração do lote e data. A empresa afirmou ainda que os serviços de limpeza e controle de pragas são realizados de forma criteriosa e periódica em todas as fábricas e filiais de vendas no Brasil.

Mais conteúdo sobre:
ratosalgadinhocontaminaçãoSC

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.