Alex Silva / Estadão
Alex Silva / Estadão

Pequenos atos machistas estão na raiz da violência, diz ativista

Comportamentos do dia a dia dão fôlego à ‘cultura do estupro’ e legitimam atos violentos, afirma a feminista Juliana de Faria

Entrevista com

Juliana de Faria, fundadora do Think Olga

Fábio de Castro, O Estado de S.Paulo

30 Maio 2016 | 03h00

Juliana de Faria é uma das fundadoras do coletivo feminista Think Olga, que ficou conhecido pelas campanhas contra o assédio sexual “Chega de fiu fiu” e “Meu primeiro assédio”. Em entrevista ao Estado, ela defende que crimes extremos como o estupro coletivo de uma menina de 16 anos, ocorrido na semana passada no Rio, começam com pequenos atos e comportamentos que legitimam a violência contra a mulher – a chamada “cultura do estupro”. Para Juliana, as campanhas são fundamentais para combatê-la, por mostrar que não há machismo inofensivo.

Rotular a menina que sofreu estupro no Rio como “drogada” é uma forma de violência? 

Certamente. A culpabilização da vítima é um aspecto central da “cultura do estupro”. Esses apelos moralistas são uma forma de legitimar a violência. Sabemos que não importa quem é a vítima, ou o que ela faz: se ela foi estuprada, isso é um crime e ponto final. Mas sempre há uma tendência a culpá-la. 

Por que isso acontece?

As mulheres são vistas como seres domésticos e é muito recente sua conquista de espaço no ambiente de trabalho. Nos lugares onde a cultura do estupro é forte, a mulher correta é a que está em casa. Quando quebra esse estereótipo, ela está errada.

Como se manifesta a “cultura do estupro” no cotidiano?

Em tudo o que rebaixa a mulher e a torna um objeto, tirando dela sua complexidade. É um processo de desumanização que se manifesta no assédio sexual nas ruas e no trabalho, nas piadas e nas ideias feitas sobre as funções femininas. Nessa cultura, a mulher é um objeto à disposição dos desejos sexuais do homem.

Qual a importância das campanhas para coibir essa “cultura”?

Elas trazem ao debate vários assuntos que não eram tratados com a devida importância. Antes da nossa campanha, há três anos, pouco se falava em assédio sexual. O tema fazia parte do cotidiano, era jogado para baixo do tapete como uma questão privada que nem deveria ser comentada. Hoje isso já mudou. Há mais clareza de que há ações e comportamentos que nos machucam e que contribuem com a legitimação e normalização da “cultura do estupro”. 

Mais conteúdo sobre:
Juliana

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.