Pereira ameniza e diretora da Anac desiste de processo

Segundo assessora da diretora da Anac, ex-presidente da Infraero teria se retratado com ela

ELVIS PEREIRA, Agencia Estado

16 de agosto de 2007 | 18h25

A diretora da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Denise Abreu, anunciou ter desistido de processar o brigadeiro José Carlos Pereira, ex-presidente da Infraero, por calúnia.   Veja também: Discussão sobre aeroporto causa bate-boca entre senadores Pereira diz que não tinha autoridade sobre o tráfego aéreo Cronologia da crise aérea Quem são as vítimas do vôo 3054 Tudo sobre o acidente do vôo 3054     Segundo a assessoria de imprensa da diretora, Pereira se retratou das acusações que havia feito contra ela. Agora, o criminalista Roberto Podval, advogado de Denise, irá retirar a interpelação Judicial para que Pereira fosse intimado a se explicar. O pedido havia sido feito no último dia 10.Recentemente, o jornal 'O Globo' publicou uma entrevista com o ex-presidente da estatal na qual ele teria acusado Denise de tentar transferir o setor de cargas dos aeroportos de Congonhas e Viracopos para o terminal de Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, com o objetivo de beneficiar um amigo, supostamente o empresário Carlos Ernesto Campo, que venceu o processo de concessão do terminal de cargas em Ribeirão Preto.   Nesta quinta-feira, ao ser questionado acerca da denúncia, Pereira disse não ter feito as declarações. O ex-presidente também negou que tenha falado em "caixa-preta da doutora Denise", de acordo com assessoria da diretora.   O brigadeiro José Carlos Pereira, no entanto, reiterou que a Anac tem interesse em transferir operações de carga de aeroportos administrados pela Infraero para o Aeroporto de Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, administrado pelo Estado e cujo terminal de cargas é administrado pela iniciativa privada.    Em depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito que investiga a crise aérea, o ex-presidente da estatal afirmou que existe grande interesse da agência em transferir essas operações e que ele, como presidente da estatal, não poderia permitir qualquer movimento que levasse à redução do faturamento da estatal.   Segundo Pereira, até meados de 2007 o movimento de carga em Viracopos e Guarulhos gerou um faturamento de R$ 250 milhões para Infraero. O ex-presidente, demitido da Infraero pelo ministro da Defesa, Nelson Jobim, contou que durante visita à Anac feita pelos integrantes da CPI da Câmara, Denise Abreu defendeu a transferência de parte da carga desses dois aeroportos para o aeroporto de Ribeirão Preto.   A diretora negou que conheça o empresário. Ela afirmou que o empresário não é seu amigo, "nunca esteve na Anac e que talvez o conheça de nome". Ela também disse que a acusação feita na reportagem "é caluniosa". "Não tentei transferir carga para Ribeirão Preto, até porque, hoje, não existe terminal de cargas no aeroporto", declarou.   Denise Abreu confirmou que, durante a visita dos deputados da CPI da Câmara à Anac, ela informou que havia planos para transferir parte da carga de Guarulhos para Viracopos e de Viracopos para Ribeirão Preto. "Mas eu quero ressaltar que essa transferência para o aeroporto de Ribeirão Preto seria ínfima."

Tudo o que sabemos sobre:
crise aéreaCPIAnacDenise Abreu

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.