Perfil de novo dono contrasta com hábitos simples

Comprador de um dos apartamentos do Nova Conceição é proprietário de uma picape de luxo, último modelo

Edna Simão e Tiago Décimo, O Estado de S.Paulo

21 de janeiro de 2011 | 00h00

A debandada das famílias de baixa renda pressionadas pelas cobranças da Caixa Econômica Federal (CEF) começa a mudar o perfil do Residencial Nova Conceição. O cenário antes de apartamentos simples e de gente sem bens contrasta com a picape Nissan Frontier bege metálica, último modelo, estacionada na alameda A, à entrada do conjunto. O valor de mercado do veículo (modelo 2011) oscila entre R$ 90 mil e R$ 121 mil.

O proprietário do automóvel, um comerciante identificado apenas por "Cigano" no conjunto, que teria como principal negócio a venda de colchões, é pouco conhecido no condomínio. Segundo os relatos, ele não conversa com os vizinhos e prefere não ser abordado.

Cigano, que alguns dizem se chamar Cláudio, comprou um apartamento no local e mora com a mulher e uma filha. Já teria comprado outros quatro imóveis no conjunto - um para seus pais, um para seus sogros e um para um irmão, que moram no local, e outro, que estaria negociando. Em média, ele teria gastado entre R$ 14 mil e R$ 18 mil em cada unidade, segundo relatos de moradores. Os antigos proprietários voltaram para os bairros de origem. O Estado não encontrou Cigano e seus familiares no conjunto.

   

Veja também:  

linkNo primeiro conjunto do Minha Casa, Minha Vida, venda de imóveis e calote

A negociação imobiliária no Residencial Nova Conceição, porém, não se restringe à compra e venda de apartamentos. Aos poucos, beneficiários do programa Minha Casa, Minha Vida que preferiram não ocupar os apartamentos começam a alugar unidades. O valor cobrado é de R$ 200 - R$ 150, mais os R$ 50 mínimos de prestação -, além das contas de consumo (água, luz, gás).

A diarista Jane Nascimento da Silva, de 19 anos, com um filho de um mês e meio, decidiu alugar um apartamento no conjunto depois de sua mãe ter sido beneficiada pelo programa. "O problema é que o dono fica ameaçando pedir de volta o apartamento o tempo todo", reclama. "Como (o aluguel) não tem contrato, ele pode fazer o que quiser. E eu não vou ter aonde ir."

Na área onde foi construído o Residencial Nova Conceição havia antes o lago de um clube de campo abandonado. Nas obras, a área foi drenada, aterrada e terraplenada, mas os pontos que não receberam prédios apresentaram problemas dois meses depois de os imóveis serem entregues, em julho do ano passado. A cobertura asfáltica da área cedeu tão logo o trânsito de automóveis começou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.